Crítica do filme “The Wildest Dream”

01-wildest-dream-climb-mallory-irvine_19160_600x450[1]Dentro do gênero de documentário, uma das práticas mais comuns é realizar biografias de alguma personalidade.

Reis, rainhas, heróis e exploradores já foram retratados das mais diversas maneiras, algumas mais ufanistas, outras de maneira neutra.

Intitulada como a “era de ouro das explorações ” o início do século XX foi marcada com “feitos nacionalistas” de países que estavam no fim de sua era de imperialismo.

Entenda-se n contexto de imperialismo países possuir colônias, e as explorar sem critério ou pudor.04-wildest-dream-climb-everest_19163_600x450[1]

Estes “feitos nacionalistas” consistiam em conquistas pessoais de algumas pessoas que os governos procuravam capitalizar a auto estima da nação.

Com isso surgiram grandes heróis de exploração a pontos até então inóspitos no mundo como a Antártida e o Everest, lugares até então não “conquistados” por nenhum homem (leia-se país fincar a bandeira do país).

05-wildest-dream-ice-climb-everset_19164_600x450[1]Diante deste cenário surgiu um dos exploradores mais emblemáticos da Inglaterra o Sir George Mallory.

Mallory é considerado por muitos como o primeiro homem a pisar no Monte Everest, após ter seu corpo encontrado a alguns anos.

Sir George antes disso foi considerado morto e desaparecido no Everest.

A produção da National Geografic Channel (em parceia com a BBC) documenta a reconstituição deste período e do que realmente aconteceu.

Reconstituindo com detalhes a vida, carreira e memórias de George Mallory o filme retrata ainda em paralelo a reconstituição, com equipamentos e roupas da época, feitas pelos escaladores Conrad Anker e Leo Holding.07-wildest-dream-expedition-team_19166_600x450[1]

Com fotos inéditas, leituras das cartas de Mallory para sua família e vice versa, o filme procura adicionar tons dramáticos e emocionantes ao filme.

Esta dramaticidade facilmente envolve o espectador e o filme vai tornando-se mais profundo.

Enquanto se preocupou em mostrar a fama e prestígio na carreira de Mallory, o filme transcorre de maneira fluida até pouco mais da sua metade.

Entretanto a partir de certo ponto algumas leituras, e simulações de Holding e Anker com roupas e equipamentos de época, o filme começa a se arrastar e tornar-se repetitivo.

Altitude Everest Film Project, 2007Perto do seu final algumas imagens repetidas, e leituras de cartas que poderiam ter sido suprimidas, começaram a afetar o ritmo fluido que apresentava até então.

No geral “Wildest Dream” é um filme que soube agrupar, apesar dos tropeços de roteiro e perder muito da qualidade ao seu final, uma história de montanhismo e reconstituição de boa qualidade.

Há de se destacar também que os produtores souberam respeitar como poucos o esporte de escalada e montanhismo  como poucas, sem procurar exagerar nas cores e declarações.

12-wildest-dream-mountain-climb-clouds_19171_600x450[1]

O filme tem o mérito ainda de não apostar todas as fichas em imagens contemplativas, e sim em focar na narrativa e história a ser contada.

Para quem procura saber mais sobre história de acensões a alta montanha é um material obrigatório, para quem aprecia mais produções de ação e tensão nem tanto.

“Wildest Dream” é um filme que deve constar na videoteca de todos que queiram praticar alta montanha.

Nota do Blog de Escalada

Engenheiro e Analista de Sistemas, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.