Crítica do Filme “The Shark´s fin”

SharksFin[1]Tão importante quanto o roteiro, a edição das imagens disponíveis de um filme podem fazer qualquer produção ser um sucesso, ou afunda-la.

Tudo depende, claro, do que o editor entender do roteiro.

O casamento perfeito de qualquer produção de filmes de aventura é antes mesmo da qualidade de imagem e cenas de impacto: edição e roteiro.

O filme “The Shark´s fin” é um bom exemplo de como realizar um filme de aventura com poucas imagens, muitas fotos e com um roteiro muito bem escrito com capacidade de deixar o espectador satisfeito com a transmissão.

O filme produzido pelo escaladores Conrad Anker, Jimmy Chin, e Renan Ozturk documenta suas aventuras na via que leva o nome da produção.

Para dar cores mais dramáticas à produção relata as tentativas frustradas de Anker e Ozturk em anos anteriores.

Após um certo tempo desde a última tentativa, Ozturk sofre un grave acidente em que teve uma lesão na espinha dorsal o qual o obrigou a meses de fisioterapia e uso de colete cervical.

6a00e55031d3a38834014e8c18f9c0970d[1]Na tentativa desta escalada arriscada à “The Shark´s fin” poderia fazer mal à saúde de Renan.

A partir de todos os elementos o filme desenrola de maneira uniforme com uma história envolvente e de inevitável tensão.

Todo o desenrolar da história é feito com grande volume de fotos e imagens, que foram muito bem costuradas por uma edição exemplar e irretocável.

Por possuir um roteiro seguro em que todas suas pontas são amarradas ,e devidamente desenvolvidas, o filme agrada, e muito, todo tipo de espectador.

Do começo ao fim o filme agrada pela elegância com que é conduzido e executado.

Sem dúvida nenhuma “The Shark´s fin” será para muitos uma fonte de inspiração, tanto pela história quanto pelas qualidades técnicas aplicadas na produção.

Nota do Blog de Escalada:

Formado em Engenharia Civil e Ciências da Computação, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.