Crítica do filme “The Riders and the Storm”

raiders_storm_1Existe um ditado que decreta que “se a vida te der um limão, faça uma limonada”.

Uma maneira mais rebuscada de dizer o mesmo é: “coma, porque é o que tem para hoje”.

Não é segredo par ninguém que a vida é triste às vezes, e com o tempo alguém ao menos alguma vez experimentou um revés na vida que o deixou de joelhos.

Situações que nos deixa impotentes e sem conseguirmos imaginar o que fazer são constantes.raiders_storm_2

Realidades desoladoras que nos desafiam a nos motivar  para sair de uma situação ruim, e procurar “dar a volta por cima” não faltam.

A velocidade e capacidade de “dar a volta por cima, e encarar como mais um desafio a ser vencido, depende da psiquê de cada indivíduo.

raiders_storm_4O praticante de “stand up paddle”(SUP para os amantes de siglas) Timmy Brennan teve uma destas reviravoltas na vida que deixaria qualquer um sem saber como reagir.

Após a passagem da tempestade “Sandy”  pelo bairro em que morava com a família nos EUA, a rede elétrica de sua vizinhança entrou em curto e acabou por incendiar todas as casas de vários quarteirões.

Neste incêndio ficou destruído praticante todos seus pertences como fotos de família, roupas, eletrônicos e etcraiders_storm_3(incluindo sua prancha).

A partir deste retrato catastrófico a produção documenta os pensamentos e conclusões de Brennan quanto aos azares de sua vida.

Com simplicidade e emoção o filme vai mostrando simpatia e força de vontade de Timmy enquanto cava os escombros que viraram a sua casa após o desastre.
A cada detalhe mostrado como fotos queimadas de sua infância desenterradas de um cenário que parece de ficção científica de um futuro distópico, a empatia com o espectador é inevitável.

Com um roteiro brilhantemente executado e elaborado para emocionar, os produtores do Ryot realizaram um documentário aterrador e, ao mesmo tempo, inspirador.

raiders_storm_6

O filme segue com um clima triste e coberto de desolação por quase 2/3 de sua projeção até que ao final acontece um momento de catarse para emocionar ao mais cético.

A partir deste ponto olhos se lacrimejarem é inevitável.

“The Riders and the Storm” é uma produção que quebra alguns paradigmas do gênero de filmes Outdoor, e é muito bem vinda.

Entendendo que a realização de filmes outdoor ainda é um gênero embrionário, e evoluindo com o tempo, ainda carrega o estigma de ser superficial e de roteiros rasos.raiders_storm_5

Porém engana-se quem acredita que um filme que documenta o esporte outdoor como pano de fundo é próximo a uma peça publicitária ou os video-clips extensos.

O filme de “The Riders and the Storm” é uma obra que pode inspirar quem procura realizar algo diferente disso.

Com inteligência e muita sensibilidade, mas sem perder o toque da simplicidade, é talvez um dos melhores filmes sobre esportes outdoor já realizados na história do gênero.

Nota da Revista Blog de Escalada:

Formado em Engenharia Civil e Ciências da Computação, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.