Crítica do filme “Silbergeier”

Screen+Shot+2012-12-27+at+12.29.16+PM[1]A elaboração de um filme, não importa o gênero, é um momentos de muitas decisões.

Neste momento é que durante um “brainstorm” o volume de ideias originais aparecem aos montes.

Porém durante este processo aparecem idéias que no papel parecem excelentes mas no momento de executar não .

Neste tipo de “insight” os produtores da Baraka Films decidiram mesclar a escalada da via “Silbergeier” com vários “plots” de humor.

Como descrito acima a idéia parecia original, porém dependia muito da edição e pós produção.258-1197[1]

O segredo desta mistura estava em sua montagem porque dependia da quantidade das doses de humor usadas.

A idéia de usar humor em filmes de aventura é  arriscada porque o que é humor para alguns para outros não é.

Mesmo assim os produtores apostaram alto  e realizaram um filme de Nina Caprez relativamente interessante, mas que está longe das melhores produções da Baraka Films.

O filme documenta a escalada de Caprez em uma via “Silbergeier” que leva o nome do filme.

1310112865_28b[1]Em um lugar bastante pitoresto foi retratado com relativa superficialidade, deixando algumas pessoas que não conhecem a Europa sem informação mais detalhadas.

Não houve detalhamento de como chegar, como são as pessoas e até mesmo de que jeito a cidade próxima é

Durante a introdução  há ainda a apresentação do namorado de Nina, Cedric, que procura a todo momento ser o centro cômico e “fora da realidade” do curta.

Na maioria de suas tentativas de fazer humor Cedric não convence.

Desde a apresentação e até mesmo o encerramento a necessidade dos produtores de criar situações cômicas não produziu a química esperada.silbergeier_lachat-caprez_1[1]

Por isso a introdução da história gerou pouca expectativa  e produz uma sensação  de se arrastar até o início da escalada.

Mesmo com a demora em se iniciar a aventura houve a escolha criativa de se descrever o desafio.

Durante a escalada houve detalhamento dos dois escaladores de cada cordada escalada e suas impressões com relação ao que foi feito.

Este tipo de contraste entre cada personagem preaparou na medida certa as imagens para para que a elegância e estilo de escalada de Nina Caprez aparecer.

nina_silbergeier_4_by_stefa_09571031cf[1]No momento em que a concentração de todos ficaram voltadas para a quinta e última cordada (de graduação 8b+ Fr) as tomadas panorâmicas , além dos closes em micro agarras a produção fica mais interessante e atrativa.

Contudo esta ausência de foco em mostrar a escalada, e a excessiva preocupação em fazer humor, o filme parece não se preocupar com o desafio.

Por esta preocupação excessiva em querer mostrar humor, até mesmo a atenção no feito realizado por Nina, que declarou até mesmo qunina-caprez-video[1]e era um dos seus sonhos escalar esta via, a avenrura ficou em segundo plano.

Ficou evidente que o uso de humor ´w possível em filmes outdoor mas em doses comedidas.

Recomendavel sempre fazer uso comedido e não usá-lo com mão pesada como foi em Silbergeiger.

Fica a esperança de que os produtores da Baraka films tenham percebido que tudo que é usado em excesso prejudica uma  produção de qualquer filme, como é o caso de “Silbergeiger”.

Silbergeiger” ficou aquém do que Baraka films já produziu no passado.

Nota do Blog de Escalada:

Formado em Engenharia Civil e Ciências da Computação, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.