Crítica do Filme “Odyssey – A Climbing Road Movie”

Existe duas orientações básicas para todo e qualquer filme: a necessidade de uma história e desapego à imagens e cenas que não agregam muito à história.

Somado à esta premissas há outros aspectos como música, diálogos e ação.

Importante ao se realizar filmes de escalada, ou qualquer filme outdoor é que não se pode se iludir com o fato de mostrar uma escalada de alto grau de dificuldade com ser garantia de um bom filme .

Ao que parece os produtores do britânico “Odyssey – A Climbing Road Movie” decidiram desafiar estas premissas.

O resultado foi um filme interessante de assistir, porém cansativo até mesmo para quem é entusiasta do esporte.

A história do filme se baseia em uma “road trip” por toda Inglaterra para percorrer alguns locais de escalada esportiva, só que em móvel.

Uma abordagem interessante, e não muito explorada pelas produções do gênero.

Com excelente tomadas de escaladas e uso cuidadoso e comedido de closes, o filme consegue mostrar bem toda a escalada.

O destaque da coleção de imagens ficou por conta de grandes quedas, em que maioria são bem próximas à fator 2.

Tudo isso em peças de nuts e friends estratégicamente colocadas.

Todas as cenas de escalada são muito bem filmadas, e não há tremedeira de câmera, o que mostra bom domínio técnico do equipamento pela produção.

Porém não há aprofundamento nem no ato de viajar, nem nos personagens e seus medos. Apesar de haver descrição breve dos locais visitados, não há sequer um destaque para o local e tipo de escalada do local.

Há inclusive excesso de imagens que seriam perfeitamente tirados em uma edição mais criteriosa.

A ausência de um roteiro que guiasse a linha geral do filme resultou na sensação de extrema lentidão de pouco mais de sua hora de exibição.

Com isso a partir de sua metade a sensação do filme se arrastar é grande.

As escaladas e cenas de quedas são sim impressionantes e agradam, mas o descuido com a história deixa o filme não tão atraente quando ele poderia ser.

Por exemplo no filme há escaladores de vários locais da Europa, cada um a seu estilo, e não há apresentação de cada um.

Durante quase toda a reprodução de “Odyssey” os escaladores praticamente não interagem entre si, seja conversando seja escalando. Há um mínimo de diálogo.

O filme em muitas partes segue a filosofia batida de ser um “rock porn”, por se preocupar em excesso em mostrar a escalada, e detalhes do caminhão de viagem.

Detalhes de uma viagem como lugares visitados, histórias curiosas e contratempos com o clima foram esquecidos, e isso tirou bastante o brilho de um filme que tem uma premissa interessante.

“Odyssey – A Climbing Road Movie” é um filme interessante de se ver, porém seu custo benefício para uma eventual compra é altamente discutível.

Uma pena.

Nota do Blog de Escalada:

 

Formado em Engenharia Civil e Ciências da Computação, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.