Crítica do Filme “Fitz Roy, historia de una hazaña”

394103061_640[1]Expedições a lugares inóspitos despertam grande curiosidade tanto de escaladores como de leigos.

Mesmo nos dias atuais com equipamentos pretados para o uso em situações extremas.

Uma pergunta às vezes é levantada: como eram as expedições pioneiras a lugares que permanecem desafiadores até mesmo nos dias de hoje?

Partindo desta premissa o produtor Noel Martinez de Aguirre realizou a produção “Fitz Roy, historia de una hazaña” com o objetivo de documentar a conquista de escaladores argentinos no início da década de 80.

À época as ditaduras sul americanas começaram a ruir, a situação econômica era instável e por isso muitas novidades tecnológicas não eram acessíveis.

Dentre itens raros nos anos 80: camalots, equipamentos de escalada e filmagem.fitzroy[1]

Porém um grupo de argentinos se dispuseram a abrir uma via no Fitz Roy.

Via esta que hoje é a mais popular para se fazer cume.

O Fitz Roy ,ou Cerro Chaltén, fica no extremo sul da Argentina fazendo divisa com o Chile.

Fazendo um paralelo seria o equivalente à documentar a abertura da via “Italianos”, no Pão de Açúcar (guardada as devidas proporções, é claro).

Com imagens originais captadas em câmera “Super 8” e com atuais dos montanhistas o filme conta em pouco mais de 11 minutos a façanha destes argentinos.

fritz-2Alternando com declarações de cada um dos protagonistas a história é contada de maneira simples porém repleta de detalhes.

Com grande quantidade de imagens da época  junto com considerável quantidade de fotos o andamento do filme é uniforme e sem pontos desinteressantes.

Com simplicidade e um título que pode-se considerar “spoiler” a produção cativa e consegue prender a atenção do espectador durante a sua reprodução.

A produção se assemelha, entretanto, a uma reportagem documental e Aguirre opta por não ornamentar em demasiado cada detalhe.

Por tomar o cuidado de captar o essencial tem o mérito de não fazer auto-promoção ou promover ufanismo.fritz

Por esta decisão acertada a história é eficiente mesmo não contendo cenas de ação e basear todo o desenrolar da história em imagens de arquivo, narração e fotos o filme prende a atenção do espectador.

Atenção esta a um roteiro bem escrito e a uma edição praticamente sem falhas.

Pelo espírito minimalista e elegante de contar uma façanha até certo ponto impressionante Noel Martinez realizou uma obra de alta qualidade que agrada a todo tipo de público de montanha.

Não é de maneira alguma exagero considerar que “Fitz Roy, historia de una hazaña” seja desde já um clássico sulamericano de filmes de montanha.

Nota do Blog de Escalada

Formado em Engenharia Civil e Ciências da Computação, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.