Crítica do filme “De Sangue e de Pedra – a Viagem”

Captura de tela 2013-10-10 às 07.29.06Quais são os verdadeiros motivos pelos quais procuramos sair da zona de conforto em escaladas e aventuras na natureza?

A minha resposta mais provável e genérica seria: para nos emocionar.

Caso não sentíssemos nada, ou pelo menos provássemos a sensação de rotina e tédio procuraríamos outra atividade a realizar.

Pelo mesmo motivo é que procuramos além de realizar atividades, procuramos fazer com as pessoas que mais temos afinidades,  isso para que a sensação de bem estar seja potencializada.Captura de tela 2013-10-10 às 07.30.22

Por estes motivos que muitas pessoas ao descrever o prazer de escalar, sempre acaba por citar os amigos e companheiros.

Por este motivo é tão importante quanto retratar um esporte de natureza, é também a valorização de cada ser humano e seus sentimentos.

Independente de qual o grau da via escalada , ou o nível que esteja.

Captura de tela 2013-10-10 às 07.34.12Apostando em uma linha de pensamento mais simplista e não megalomaníaca o fotógrafo mineiro Peruzzo produziu o filme “De Sangue e de Pedra – a Viagem”, em que arrisca a colocar sua irmã Karu como protagonista.

Peruzzo hoje é ,sem dúvida, o principal fotógrafo de escaladores do Brasil.

Conseguindo até mesmo agregar importância a qualquer escalador que é fotografado por ele.

Mérito de um profissional de talento e humildade singulares.

O filme “De sangue e de Pedra – a viagem” documenta o relato de viagem dos dois irmãos Peruzzo para a Serra do Cipó-MG, e quais foram suas impressões sobre o local que é conhecido, e reconhecido, como o suprassumo da escalada esportiva brasileira.

Captura de tela 2013-10-10 às 07.33.05

Baseando-se sempre na narração das impressões que sua irmã, e parceira, Karu Peruzzo, teve do lugar, o filme documenta suas atividades no lugar visto de sua ótica.

Com voz suave, boa dicção e sotaque típico de Uberlândia, Karu consegue facilmente envolver o espectador com suas declarações, e, de maneira emocionante conduz a um final que pode ser considerado inesperado e emocionante.

Captura de tela 2013-10-10 às 07.30.54Karu com suas declarações, em pouco mais de 15 minutos de exibição, faz com que o espectador fique com olhos marejados de lágrimas até mesmo ao mais “durão”.

O resultado de todos estes elementos é uma produção que impressiona pela alta qualidade apresentada já na estréia do fotógrafo Peruzzo em produção de vídeos.

Não é um filme perfeito, entretanto é bem superior ao que vem sendo produzido no Brasil e no exterior em termos de filmes outdoor.

Com boas tomadas dos detalhes de cada escalador somada à uma edição sem muita pirotecnia e que valoriza cada imagem captada, a produção flui com harmonia.

Com suas lentes mais preocupadas em documentar natureza e detalhes de escaladores, Peruzzo fez com que o mais cético dos espectadores ter curiosidade em saber mais dos autores, locais e prende a atenção até o final .Captura de tela 2013-10-10 às 07.32.11

Apenas na sequência que documenta Eduardo Barão, o filme tem uma pequena quebra de ritmo, que passa a sensação de não se encaixar no enredo do filme, mas que em nada compromete a qualidade de todo o conjunto da obra.

Um outro aspecto não explorado pelos produtores, e que poderia ter sido, foi o charme, sorrisos , trejeitos e gestos de Karu Peruzzo, que rouba a cena sempre que aparece.

Porém é importante lembrar que tropeços e deslizes  fazem parte da estréia de qualquer produtor.

Seguramente poucos filmes outdoor conseguem arrancar lágrimas do espectador como “De Sangue e de Pedra  – a Viagem” o faz com elegância e eficiência.

Mérito todo da dupla de irmãos que estreiam em uma produção madura, e de qualidade que deixa ansiedade para suas próximas produções.

Fica a expectativa de que Peruzzo siga em frente com seus projetos de filmes e o seu amadurecimento natural nos brinde com mais vídeos de qualidade como este de sua estréia.

Nota Blog de Escalada: 

Formado em Engenharia Civil e Ciências da Computação, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.