Estudo faz análise biomecânica do “drop knee” na escalada e comprova risco de lesão

Da mesma maneira que em qualquer esporte, cada movimento na escalada possui um nome. O movimento conhecido como “drop knee”, também conhecido pelo francês “lolotte” (conhecido pelo mesmo nome em italiano) ou espanhol “bicicleteo”, é constante alvo de críticas e elogios por técnicos de escalada, estudiosos de repertório de movimentos e professores de educação física em todo o mundo.

Na Europa, mais especificamente, o “drop knee” é dominado por atletas de alto rendimento e é amplamente usado em campeonatos regionais e internacionais no continente. A plasticidade do movimento, que permite resoluções corporais em passagens de trechos difíceis em escalada, colabora para que sempre esteja em pauta de algum assunto sobre movimentação no esporte. O movimento, portanto, é considerado fundamental para a escalada moderna. Infelizmente, especialmente para quem está começando, é relativamente simples em teoria, mas leva um pouco de tempo para ser dominado.

A ideia é girar seus quadris perpendicularmente à parede (indoor ou rocha), de modo que o joelho (o mais próximo da parede) possa descer, proporcionando uma tensão cruzada nos pontos de apoio e mantendo massa central próxima à superfície que se escala. Usar o “drop knee” pode ajudar um escalador a alcançar agarras que parecem mais distantes. O movimento ajuda o quadril a mover mais facilmente em relação á parede, aliviando o peso nele e na outra perna, mas sem perder o contato com a parede.

Os pesquisadores Alessio Artoni , Matilde Tomasi e Francesca Di Puccio buscaram fazer análise biomecânica do “drop knee” realizado pela grande maioria dos escaladores. O trabalho (Kinematic Analysis of the Lolotte Technique in Rock Climbing), publicado no meio do ano de 2017, fez uma análise cinemática específica do movimento e do atleta, com o objetivo de quantificar as trajetórias angulares do quadril e do joelho e as consequências nos ligamentos do joelho.

Para a análise um sistema de captura de movimento baseado em marcadores foi empregado para rastrear a execução do “drop knee” em uma parede de escalada projetada propositadamente para a análise, forçando quem escalasse a executar o movimento. Com um processamento adicional, feito pelo programa programa OpenSim, foi possível estimar a deformação do ligamento colateral medial do joelho.

Essa análise cinemática revelou padrões característicos do ângulo do quadril e joelho e destacou uma fase crítica em que o joelho é abduzido consideravelmente (como consequência, o ligamento colateral medial é notavelmente recrutado). Após a análise, os cientistas conseguiram comprovar a alegação difundida entre os escaladores de que o “drop knee” pode causar lesão ligamentar.

Para ter acesso ao texto da pesquisa: https://www.researchgate.net

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.