Escalada, um esporte em construção – Reflexão a respeito da proibição de atletas competirem

A escalada no final do século passado mudou sua estrutura com o surgimento das paredes artificiais, processo conhecido por “esportivização” do montanhismo. Ela então passou a seguir as normas do esporte moderno, com a competição, o marketing, a mídia, o dinheiro, o treinamento, o resultado, a ciência. Estes ideais vêm do princípio dos jogos olímpicos da antiga Grécia, em que o “agon”, isto é, a disputa pela vitória até o agonismo do adversário é o objetivo principal. Aqui só a vitória interessa.

Porém a escalada parte de um conceito distinto, conhecido como “ilinx” cujo o objetivo é o enfrentamento dos riscos da natureza através da auto superação. Esta tarefa na escalada carrega características de cooperação, união, confiança e compartilhamento de dificuldades para atingir metas comuns. Qualquer escalador, ou escaladora, que já esteve numa cordada identifica a importância do parceiro numa guiada.

Dilema

Este espírito do montanhismo deve prevalecer agora, quando as entidades representativas da categoria ABEE e CBME estão à frente de um dilema.

Por um lado, a ABEE é a representante legal dos atletas brasileiros principalmente se a intenção forem as competições internacionais. Cabe a ela definir as regras para a participação dos atletas e o fomento de um campeonato que selecione os melhores para a Olimpíada, Mundiais e outras competições fora do país.

Por outro, a CBME deve seguir ampliando a prática de escalada no país com segurança e preservação ambiental, mas além disso deve utilizar eventos, inclusive competitivos para difundir a cultura da escalada.

Vencedores da categoria Elite Masculino – FEMERJ

Neste momento, uma disputa, ou “agon” entre elas não vai favorecer o esporte. É momento de abrir diálogo para encontrar consensos que favoreçam os praticantes, pois:

  • A participação de atletas filiados à ABEE em outros eventos aumenta a comunicação da escalada na mídia.
  • Grandes atletas são estímulo para os jovens que estão iniciando e que nem sempre podem estar presentes em eventos oficiais da ABEE.
  • Os eventos que podem ser homologados devem facilitar a participação desses atletas de maior prestígio.
  • A criação de copas de escalada pela CBME deve ser estimulada pela ABEE para aumentar o número e a qualidade dos eventos em todo país, pois a CBME tem Federações em vários estados e muitas pessoas para ajudar nessa organização.
  • A futura participação do Brasil nas Olimpíadas e Mundiais depende do surgimento de jovens atletas que hoje tem apenas 5 ou 6 anos e que se envolverão com o esporte se houverem eventos fortes e com toda a comunidade envolvida.

Reflexão

Vencedores das categorias Junior Masculino FEMERJ

Por fim, não gostaria de ver o mau exemplo de outras modalidades chegar à escalada e seguem alguns exemplos para reflexão:

No Brasil a maior dupla do remo deixou de disputar um mundial com chance de recorde, porque a Confederação não se entendeu com o patrocinador dos atletas.

Além disso, o skate está com problemas para indicar os atletas olímpicos porque a Confederação associada ao COI não é a CBSK.

A natação brasileira teve grande investimento para as Olimpíadas, mas o resultado pífio pode ser creditado aos dirigentes que são acusados de desviar dinheiro.

As Olimpíadas Rio 2016 deixaram legado para poucas modalidades apesar do investimento.

Um abraço a todos e boas escaladas.

Dimitri Wu é Escalador, professor do curso de Educação Física da UNINOVE-SP, doutorando em Educação, autor dos livros Escalada e Pedagogia da Aventura

There is one comment

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.