Escalada em rocha na Amazônia – Os lugares onde é possível praticar o esporte no Norte do Brasil

Há tempos atrás eu lia comentários na web de escaladores que passavam por Manaus – AM e estavam desolados pelo fato de não haver locais para “matar a fome”, ou seja, escalar!

Quando comecei a residir aqui em 2011, também imaginei o mesmo! Então a solução foi começar a procurar os possíveis locais nas imediações onde haveria condições para praticar escalada em rocha. Inicialmente o destino foi Presidente Figueiredo, pois a quantidade de cachoeiras, e de rocha, que eu encontrei na internet foi grande. O resultado foi ótimo, pois aquela região tem enorme potencial turístico com cavernas, cachoeiras e muita pedra! As paredes possuem boas linhas negativas, inclusive existem algumas áreas com psicoblocs.

No entanto, próximo à capital amazonense há também boulders nas margens do Rio Negro na localidade de Paricatuba, município de Iranduba – AM (cerca de 35 km de Manaus com entrada no km 21 da rodovia AM 070).

Km-113 | Foto: Acervo Pessoal Paulo Henrique Santos

Km-113 | Foto: Acervo Pessoal Paulo Henrique Santos

Outro local com boulders interessantes fica a aproximadamente um quilômetro após a Praia de Açutuba, com acesso pelo km 28 da rodovia AM 070, também município de Iranduba.

Existe uma linha de arenito na Ponta Negra, ao lado do Hotel Tropical, dentro da cidade de Manus. São aproximadamente um quilômetro de rocha, com muitas caverninhas e blocos negativos. O interessante é que esta área somente fica disponível quando o nível das águas do Rio Negro está baixo.

Presidente Figueiredo, localizada a cerca de 107 km de Manaus pela rodovia BR 174, é uma cidade com bom potencial turístico, com grande número de cachoeiras, cavernas e trilhas além, é claro, das escaladas.

O km 113 da rodovia BR 174 foi uma das primeiras áreas de escalada da região que começou a ser frequentada por escaladores em 2011.

Km-113 | Foto: acervo pessoal Paulo Henrique Santos

Km-113 | Foto: acervo pessoal Paulo Henrique Santos

Do lado direito de quem vai no sentido de Boa Vista-RR, há mais de 15 boulders já catalogados e um pequeno cânion com cerca de 12 metros de altura com aproximadamente 60 m de largura. O cânion, conhecido como Paredão das Lajes, é um local de referência para a prática de psicoblocs.

Salto do Ipy | Foto: Acervo Pessoal Paulo Henrique Santos

Salto do Ipy | Foto: Acervo Pessoal Paulo Henrique Santos

Já do lado esquerdo do km 113 existem cerca de 25 boulders e 7 vias esportivas, sendo algumas com proteção móvel. A área fica com sombra o dia todo, possui camping, banheiros e além das escaladas há corredeiras para um bom mergulho.

No km 115 da rodovia BR 174 localiza-se a Cachoeira da Iracema. Nas imediações dessa cachoeira existem cavernas, muitos boulders e paredes com potencial para vias esportivas.

Na frente da entrada para a Cachoeira da Iracema, especificamente do outro lado da rodovia BR 174, existe outra grande área com cerca de 20 boulders abertos. Da entrada da cachoeira da Iracema é só seguir por mais uns 200 metro e entrar à direita. Desde a rodovia é possível avistar muitos dos boulders existentes.

No km 150 da rodovia BR 174 (lado direito no sentido a Boa Vista) existe uma parede à margem com pequenas vias de escalada. O interessante que nesse ponto a rocha já é o granito.

Paredes do Salto do Ipy | Foto: Acervo Pessoal Paulo Henrique Santos

Paredes do Salto do Ipy | Foto: Acervo Pessoal Paulo Henrique Santos

Seguindo ainda na Rodovia BR 174, sentido Boa Vista, no km 199 há uma pedreira abandonada com 3 vias de escalada, sendo duas com proteção móvel. Nesse local há uma grande quantidade de boulders e potencial para abertura de mais vias esportivas. Um pouco antes, no Km 190 há diversos boulders ao lado da BR.

Na rodovia que liga a sede do município de Presidente Figueiredo e a Usina de Balbina (Rodovia AM 240), no km 12, está a entrada para a Cachoeira da Porteira. Essa área é outro local muito bom para psicoblocs, possuindo também muitos boulders!

Logo em frente, no km 13 da rodovia AM 240, está a Cachoeira do Santuário, que possui psicoblocs e boulders.
No Km 53 da rodovia AM 240 encontra-se o Salto do Ipy. Essa parede tem bom potencial para vias de alta qualidade, pois há negativos e tetos expressivos.

O acesso que leva ao Salto do Ipy  é por trilha. Estando no salto, procurar uma trilha cerca de 20 metros abaixo da cachoeira e que entre à direita. A parede está aproximadamente 100 metros abaixo. Nessa área existem 5 vias, sendo que a via “Berimbau” é uma que passa por um dos maiores negativos da região.

A linha de arenito do Ipy é tão grande que ainda não foi possível caminhar em toda a sua extensão.

Paredão do Barreto | Foto: Acervo Pessoal Paulo Henrique Santos

Paredão do Barreto | Foto: Acervo Pessoal Paulo Henrique Santos

No km 63 da Rodovia AM 240 (do lado direito no sentido de quem vai para Balbina) – Fazenda Floresta – está o início da trilha que depois de cerca de 400 metros chega na parte de cima do Paredão do Barreto. Este paredão já conta com cerca de 12 vias e mais alguns projetos. Possui grande potencial para vias esportivas. A parede é quase totalmente negativa e é um local com vias de alto grau de dificuldade. Foi o local precursor das vias esportivas no estado do Amazonas, com as primeiras vias sendo datadas de 2010.

No km 63 do lado esquerdo e em frente à entrada do Barreto se encontra o Paredão do Gaúcho. Essa área é a mais recente de todas, e vem recebendo um bom número de conquistas por parte dos escaladores residentes em Manaus.

Atualmente já existem cerca de 20 vias nesse lugar, sendo que o acesso é bem simples e rápido.

Escalada em Roraima

Em 2014 eu comecei a viajar para o estado de Roraima com o objetivo específico de tentar encontrar mais locais para a prática da escalada em rocha. Mais uma vez o resultado foi muito bom, pois o estado de Roraima tem grande potencial e é pouco conhecido da comunidade escaladora.

O acesso às cidades de Rorainópolis, Caracarai, São Luiz, São João da Baliza e Caroebe se da pelas rodovias BR 174 e 210, sendo a primeira rodovia totalmente asfaltada e a segunda parcialmente. Na cidade de Rorainópolis esta localizado o Parque dos boulders com 5 vias esportivas e uma grande quantidade de linhas no estilo high ball. A grande característica do local são os blocos com 6, 7 e 8 metros de altura que em estilo boulder são considerados High Ball, sendo os maiores na faixa do 15 a 20 metros de altura.

A partir dessa cidade as rochas serão uma constante tanto para quem vai na direção norte, bem como quem vai para leste.

Km-115 | Foto: Acervo Pessoal Paulo Henrique Santos

Km-115 | Foto: Acervo Pessoal Paulo Henrique Santos

Na rodovia BR 210 você encontrará rochas frequentemente e é um cenário comum para as cidades de São Luis, São João da Baliza e Caroebe. Já na rodovia BR 432, no município de Caracarai, o cenário é bastante intrigante, pois existem serras com montanhas e boas paredes para abertura de vias no estilo tradicional. A primeira delas está a cerca de 25 km de Vila Nova Paraíso (também conhecida como km 500). Uma das maiores paredes que eu encontrei na viagem está localizada nessa serra.

Continuando na rodovia BR 432, a aproximadamente 51 km de Vila Nova Paraíso, aparece outra serra, esta com um grande número de paredes escaláveis. Há vicinais (estradas menores que começam na rodovia BR 432) com cerca de 10 km de extensão e que levam quase á base dessas montanhas.

Com relação à hospedagem nos municípios da rodovia BR 210, eu optei pelas pousadas que apresentam preços bem em conta e oferecem café da manhã. Não há camping específico, mas há condições para acampamento nos arredores das áreas urbanas. Um almoço sai na faixa de R$ 12,00 na região de São Luiz.

Serra do Tepequém – Roraima

A região do Tepequém está localizada no norte de Roraima e faz parte do município do Amajari, distante cerca de 210 km de Boa Vista.

É um local privilegiado para cachoeiras, trilhas, camping, para mudar a rotina e para a escalada em rocha também. Importante destacar que há enorme potencial para vias,de todos os estilos, em Tepequém. Na localidade há possibilidades de abertura de linhas de boulder e também vias tradicionais com muitas possibilidades de serem escaladas com proteção móvel!

Atualmente existem 17 vias, mais de uma dúzia de boulders!

Paulo Henrique é natural de Curitiba – PR, atualmente reside em Manaus – AM onde é um dos gestores de uma empresa da área de óleo e gás. É montanhista desde 1982 e praticante da escalada em rocha desde 1986. É guia e instrutor de escalada certificado pela Aguiperj e formado pelo Clube Excursionista Carioca. Foi sócio fundador do Centro Excursionista Goiano – GO e do Grupo de Montanhismo Tubaronense – SC. É autor do Catálogo de Escaladas de Tubarão e Região.

There are 4 comments

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.