Enzo Oddo e Gabriele Moroni desrespeitam éticas e regras da escalada no Brasil

143665281_640[1]No mês de junho deste ano, os escaladores Enzo Oddo e Gabriele Moroni fizeram uma visita ao Brasil para conhecerem um pouco da escalada na América do Sul.

Os dois escaladores visitaram locais de escalada em Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Segundo denúncia recentemente publicada por Eliseu Frechou no dia de hoje em seu Blog da ESPN, Oddo e Gabriele modificaram uma via no PNI (Parque  Nacional Itatiaia).original_photo_6431[1]

A “modificação” consistiu em amassar com marretas uma chapeleta, inutilizando-a, fazendo com que a primeira proteção ficasse a 16 metros acima do solo.

Segundo a dupla de “justiceiros” a via era “fácil” e não havia necessidade de existir nada ali.

Segundo Frechou após seu contato para esclarecimentos os escaladores por meio de mensagens no Facebook afirmaram que era uma prática comum na Europa( tirar as chapeletas consideradas inúteis de vias).

Ao que parece a dupla declarou abertamente que na Europa não importava o direito autoral ou o respeito à comunidade escaladora local.

Atitude semelhante aos americanos covardes (Jason Kruk e Hayden Kennedy) sem caráter fizeram no Cerro Torre no ano passado (E apoiada por uma legião de idiotas pelo mundo afora).

Este é mais um exemplo cristalino de que toda a comunidade de escaladores no mundo não está livre de comportamentos inaceitáveis.

Os cretinos depredadores e sujões seguem sem a devida punição (seja de federações, ou da própria comunidade), onde infratores se escondem atrás dos panos quentes das autoridades.

A CBME ainda não se pronunciou sobre o caso, e o PNI está estudando proibir toda e qualquer escalada no parque por conta destes dois puzilânimes.

Entretanto, lembremos que exemplos de acontecimentos realizados por pura idiotice não faltam, infelizmente.

Pessoas sem caráter, ou berço, como o falso professor de yoga de São Paulo que poluiu deliberadamente o Valle Encantado em 2009 (ocasionando no fechamento de lá), os imbecis Jason Kruk e Hayden Kennedy (quue retiraram os grampos do Cerro Torre) agora tem a compania de Enzo Oddo e Gabriele Moroni.

O mais triste é a multidão de igualmente idiotas que batem palma para as atitudes descritas acima, mostrando que a counidade de descerebrados é muito maior do que imaginamos.

São estas pessoas que acham que a América do Sul é uma terra sem lei, e que todos os escaladores são “simpáticos” e sangue de barata.

Leia trecho da denúncia de Eliseu Frechou, e link abaixo para ler TODOS os detalhes.

Por Eliseu Frechou

….. A calma durou até que um bom tempo.
Em junho passado, recebemos uma trupe composta do francês Enzo Oddo (http://www.facebook.com/enzo.oddo.9), do italiano Gabriele Moroni (http://www.facebook.com/gabriele.moroni1), ciceroneados pelo niteroiense Francisco Taranto Junior (http://www.facebook.com/profile.php?id=100001514841226), na intenção, segundo Taranto, de produzir um filme sobre alguns points de escalada no Brasil.

Por uma coincidência, encontrei os três, mais o escalador mineiro Gustavo Piancastelli no abrigo de montanha Picus, do Felipe Guimarães em Itamonte.

Os gringos e brasileiros escalaram no parque Nacional do Itatiaia por alguns dias, ocasião em que nos encontramos e soubemos que eles estavam de olho em algumas linhas para novas rotas.

Bem, eu escalei com a Ana e o Felipe e estávamos mais preocupados em nos divertir do que interessados no que os gringos estavam fazendo. Mesmo por que, no dia seguinte eles viajaram para a Gruta de Passa Vinte.

Mas dias depois Enzo e Gabriele retornaram ao Planalto do Itatiaia.

E somente semana passada, soubemos a verdadeira dimensão do estrago que os dois fizeram em sua passagem pelo Itatiaia.

Basicamente, ao escalarem nas Prateleiras, Enzo e Gabriele, resolveram adequar as regras e ética ao seu modo de pensar.

Não levando em conta a ética e muito menos as regras de educação e manejo do PNI.

Eliseu Frechou

Tiro no Sol - Amarelo: chapeletas arrancadas por Enzo e Gabriele. Vermelho: primeira colocacao de friend
Tiro no Sol – Amarelo: chapeletas arrancadas por Enzo e Gabriele.
Vermelho: primeira colocacao de friend

Primeiramente, abriram uma nova via na Pedra da Tartaruga.

Como os escaladores que freqüentam o planalto sabem – e advertiram os europeus – atualmente é necessária autorização prévia para abertura de novas rotas.

E pelo fato de tanto a Tartaruga quanto a Pedra da Maçã serem monumentos do PNI, ficou estabelecido de comum acordo entre os montanhistas que estas formações não receberiam mais grampeação.

Mesmo por que, atualmente elas pedem ser consideradas highballs e podem ser escaladas como sendo grandes boulders, apenas com crash pads fazendo a segurança.

Enzo e Gabriele, acompanhados pelos brasileiros, transgrediram duas regras que podem no futuro, serem usadas para causar problemas ou proibições para nós, que escalamos no PNI.

Não sou a favor de regras como a autorização prévia para abrir rotas, muito menos as absurdas exigências de somente abrir rotas de baixo para cima e do não uso de furadeira.

Mas devemos debater e lutar a favor ou contra estas regras (e opiniões) e nunca transgredi-las.

Na seqüência da abertura ilegal da via na Tartaruga, Enzo e Gabriele escalaram e retiraram os grampos de proteção da via “Tiro no Sol”, uma chaminé de meio-corpo cuja primeira proteção móvel está a 18 metros da base.

Esta via foi abertura do Felipe, Wagner Pahl, Mariana Candeia e minha em 2007.

Sob o pretexto (engolido pelos brasileiros que os acompanhavam) de que “na Europa é assim”.

Bem, vamos começar esclarecendo que aqui é Brasil e não Europa, e mesmo que fosse, na Europa não “é assim”.

Direito autoral é respeitado no mundo inteiro.

Na Espanha, França, Grécia, Itália…

Existem dezenas de rotas com fendas grampeadas onde os grampos podem ser substituídos por proteção móvel mas nem por isso esses grampos são sacados.

Respeita-se.

Abusando da passividade dos que os ciceroneavam, retiraram ainda chapeletas em outros lugares, como nas falésias próximas a Resende.

Facebook Eliseu Frechou

Mensagem enviada para Enzo, que n�o respondeu.
Mensagem enviada para Enzo, que não respondeu.
Facebook Eliseu Frechou

Gabriele, dizendo desconhecer o fato da retirada das chapeletas
Gabriele, dizendo desconhecer o fato da retirada das chapeletas

Para saber mais sobre este ato que repudiamos acesse: Enzo Oddo e Gabriele Moroni transgridem éticas e regras da escalada no Brasil

Engenheiro e Analista de Sistemas, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha e Argentina. É totalmente dedicado ao esporte de escalada em rocha e é aficionado em filmes Outdoor. Para aproveitar melhor esta paixão fez curso de documentário na Escola São Paulo, além dos cursos de “Linguagem Cinematográfica” e “Crítica de cinema” e jurado do Rio Mountain Festival. Já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Espanha, Uruguai e Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá.

There are 5 comments

  1. Gustavo Piancastelli

    Te entendo Eliseu e Felipe pelo orgulho que tinham dessa via, mas acho que o melhor a fazer agora é avaliar se realmente é necessário que as chapeletas sejam recolocadas. Ao meu ver, não. Com a segurança empregada nos equipamentos hoje em dia, creio que a recolocação das chapeletas será um atentado à natureza. Pensem nisso.

  2. Gustavo piancastelli

    Essa parada é muito mais simples do que isso que esse circo todo que foi armado.
    O 1ª erro ao meu ver foi cometido pelos conquistadores. Grampear a fenda tbm é contra nosso código de ética e tbm no código de ética mundial (“Declaração de Tirol”) inclusive, pois cabem várias proteções grandes, Camalot 4.5, 5, 6. A fenda de meio corpo pode ser bem protegida com segurança, no entanto estava grampeada com 05 chapeletas novas, portanto essa conquista é recente, do tempo que se acha equipamento móvel pra comprar nas lojas do Brasil. Escalar sem utilização de proteções fixas para mim é uma evolução, enquanto tantos outros dependem de rochas poluídas com chapeletas para escalar. Porém tenho fortes convicções sobre interferir em vias alheias, sem a devida permissão do conquistador para tal alteração. Bem diferente de interferir de forma definitiva numa via com a colocaçnao de grampos, a retirada dos mesmos para mim é um ato de respeito à natureza. Usando equipamentos móveis causa-se muito pouco impacto ambiental, diferente das chapeletas (fato incontestável). Bom eu realmente estava lá na 1ª incurssão dos gringos no Itatiaia. Através do amigo e cinegrafista Francisco Taranto Jr. fui contratado com meu carro para contribuir para os trabalhos de filmagem. No 1º dia de escalada, repetimos a via Tiro no Sol, eu, Enzo e Gabriele guiamos a via e Enzo foi um pouco duro com os conquistadores, disseram que se isso acorre na Europa seria muito mal visto, pois a fenda é perfeita. Ali mesmo Enzo falou que as chapas eram absurdas e qe as retiraria. A partir daí eu comprei a briga, pois por mais que a grampeação fosse absurda, retirar as chapas sem autorizaçnao não era o melhor a fazer. Eu e Enzo chegamos a discutir sobre esse assunto eu fui taxativo: A via fazia parte do acervo do Parque e retirar as chapas daquela forma era contra nossos princípios. Td certo, no dia seguinte pegamos estrada pra Gruta de Passa Vinte lá os caras se sentiram em casa, ficaram lá por uns 10 dias e abriram um 10c “Dust In the Wind”. Voltaram para o Parque sem mim pois tive assuntos pessoais a resolver. Voltei a revê-los quando fomos para Visconde de Mauá e eu só desconfiei que eles havíam feito isso quando perguntei sobre a 2ª visita ao parque ele riram bastante, mas não falaram porque. Tá explicado o porque aqui. Quero que fique claro que nunca interferi em VIAS alheias e não sou a favor que mexam em minhas vias. Apesar de que retirar chapas em minhas vias será pouco provável, o q normalmente acontece é fixarem chapas em minhas vias sem a devida autorização, em alguns casos já vi até via minha mudando de nome depois de ser completamente grampeada. Isso sim é um absurdo! Melhor do que escrever é ESCALAR! Deixe eu ir, pois hj é sábdo e já estou atrasado. Enzo Oddo, Francisco Taranto Jr., assim como Gabriele Moroni são excelentes profissionais e como todo jovem Enzo quer superar seus mestres, seus ídolos e todos que ele puder subjulgar na escalada. Sem sentimentos mesquinhos, mas como todo jovem que quer mostrar que pode, e ele realmente consegue. São pessoas boas que não estão livres das armadilhas do ego, assim como Eliseu que se sentiu ofendido com o ato deles, eu tbm me sentiria.

  3. Vinícius maltauro

    E agora querem regrampear de novo, uma cagada justifica a outra que justificou a anterior? Só par refletir, sem alfinetadas…
    No mais, as escaladas continuam lindas e belas no PNI, o Parque NÃO está “estudando proibir toda e qualquer escalada no parque”, muito pelo contrário, temos um GT reformulando as regras de conquista para que elas sejam mais condizentes com a realidade e para que novos eventos como os que envolvem esta história não ocorram novamente.
    Aliás, tá difícil ver gente escalando naquelas pedras, vamos sair da toca e ir conhecer essas vias do Itatiaia meu povo!

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.