Embalagens de plástico em roupas outdoor: Como as marcas estão lidando com este problema?

Muito longe de ser alarmista, os plásticos são um problema ecológico a serem enfrentados atualmente. Em vários estados brasileiros, as sacolas plásticas tiveram sua distribuição dificultada. No Rio de Janeiro, por exemplo, os canudos plásticos foram abolidos da cidade (de acordo com a lei, os estabelecimentos devem oferecer aos consumidores versões de papel biodegradável ou reciclável). Porém todas estas soluções sequer riscaram a superfície do problema do consumo desenfreado de plásticos. Toda pessoa realmente preocupada com o problema dos plásticos deve perceber que vários locais ainda distribuem sacolas plásticas, além de várias marcas também usarem largamente plásticos em suas embalagens e proteções de seus produtos.

Neste ponto é que está um grande problema, que denota certa hipocrisia e falta de compromisso de muitas marcas outdoor. Sobretudo as que se dizem ecologicamente corretas. Para qualquer produto outdoor, a diminuição do consumo de plásticos em embalagens é um grande desafio para qualquer empresa. Basta comprar uma roupa para ganhar de presente também um volume assustador de plástico bolha (de vários tamanhos), sacolas plásticas estilizadas, isopor, papel filme e muito volume de papel.

De acordo com a empresa especializada em embalagens reutilizáveis LimeLoop , aproximadamente 165 bilhões de pacotes e envelopes são jogados no lixo a cada ano. Isso se traduz em 1,2 milhão de árvores, 917 milhões de litros de água e 18 milhões de litros de petróleo todos os dias. Grande parte disso acaba em aterros sanitários e até o que pode ser reciclado é suficiente para sobrecarregar as instalações de reciclagem. A situação é preocupante e os consumidores deveriam cobrar mais fortemente os fabricantes de produtos outdoor com relação a isso. Particularmente no Brasil, grande parte da população apenas se preocupa com o preço, deixando em segundo plano muitas vezes a qualidade e, tristemente, por último a postura da marca com a comunidade.

Com mais tempo de estrada, além de consumidores mais barulhentos, os fabricantes de cerveja estão desenvolvendo embalagens biodegradáveis e cidades inteiras estão proibindo garrafas PET. Ainda não se sabe se é somente marketing, mas a indústria outdoor comprou para si o problema de ser também ecologicamente correta. Ao menos parecer. Todos os anos, especialmente na principal feira de produtos outdoor americana Outdoor Retailer, o tema volta a ficar em pauta.

“A embalagem é um problema complexo e com muitas facetas”, afirma Adam Gendell, diretor associado da Sustainable Packaging Coalition, uma entidade voltada para a conscientização de empresas em utilizar embalagens sustentáveis e que tenha um impacto ambiental mínimo. Gendel parece ter plena consciência do problema, pois complementa seu pensamento com a afirmação “A reciclagem é boa, mas não mitiga todos os impactos do montante”. O desafio, portanto, é encontrar as soluções certas.

Até o momento há algumas soluções apresentadas às marcas:

  • Sacos solúveis em água (Water-Soluble Bag)
  • Embalagens feitas de amido de batata
  • Plástico de base biológica (Bio-Based Plastic)

As principais marcas, como Petzl, Columbia, REI, The North Face e Patagonia já adotaram algumas destas soluções acima. Porém a sua adoção ainda é adotada timidamente. Notadamente os profissionais que trabalham no desenvolvimento destas embalagens estão um passo atrás do que deveríamos possuir hoje.

A única solução no momento é, como a Revista Blog de Escalada vem fazendo constantemente, procurar conscientizar aos consumidores a optar por produtos com menos embalagens plásticas. Mas o consumidor necessita também fazer a sua parte.

Portanto, vale a seguinte pergunta a você, caro leitor: Quando foi a última vez que recusou um produto por conta da quantidade absurda de plásticos na embalagem?

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.