Crítica do filme “Safety Third”

Pergunte a qualquer pessoa que aprecia assistir um filme o qual e o produtor considera ruim e de gosto duvidoso. Não é preciso muito esforço matemático para que, estatisticamente falando, que o comedidamente Adam Sandler irá ganhar boa porcentagem das respostas. Arrisco a dizer que ele pode até mesmo ser o líder desta lista de produtores de baixa qualidade.

Notoriamente o público do comediante são pessoas sem muito apreço a história e qualidade, somente buscando cenas de besteirol. Sandler consegue, ao mesmo tempo, desagradar tanto o seu público, que permaneceu fiel mesmo com produções indefensáveis como “Gente Grande” (“Grown Ups” – 2010), “Eu os Declaro Marido e… Larry” (“I Now Pronounce You Chuck and Larry” -2007), “Trocando os Pés” (“The Cobbler” – 2014) e “Os 6 Ridículos” (“The Ridiculous 6” – 2015), entre muitos outros filmes que faria parte de qualquer antologia sobre os mais horrorosos em termos de qualidade e respeito ao expectador. Por recusar a amadurecer como comediante e produtor, Sandler vêm perdendo os dois públicos: adolescente que aprecia de besteirol e a adulto que gostava de suas ironias.

Safety Third

O mesmo sentimento que Adam Sandler desperta, o americano Cedar Wright também faz o mesmo em produções de filmes outdoor. Wright parece se esforçar para ir piorando seu estilo a cada produção. Sua dedicação a isso, tornando-se de fato pior a cada produção, salta aos olhos de quem acompanhar seus trabalhos.

Se seu objetivo é sempre fazer algo pior que o anterior, o escalador americano conseguiu atingir o objetivo com seu mais recente filme “Safety Third”. Analisando mais com detalhes, a produção não é simplesmente de baixa qualidade, mas também ultrajante para os conceitos de escalada e montanhismo. Sem nenhum exagero, chega a ser doloroso assistir à “Safety Third”.

O grupo cômico “Porta dos Fundos” já eternizou o conhecido “tio do pavê” (aquele que sempre conta a piada de “é pavê ou para comê”), o qual muitos conhecem das festas de família. O “tio do pavê” é a caracterização da pessoa a qual o humor, além das coisas que lhe parece engraçada, ficou velho e obsoleto. Pois com “Safety Third” fica evidente que Cedar Wright é o “tio do pavê” da escalada americana e das produções outdoor. O americano parece tentar repetir as mesmas piadas que o já falecido comediante Costinha.

Safety Third

Durante várias passagens de um roteiro evidentemente escrito às pressas, a produção força a todo momento em fazer humor, que não tem a menor graça, e, desesperadamente, resgatar o espírito do programa televisivo “Jackass”. Nunca é demais lembrar que o programa da MTV durou apenas dois anos. No Brasil houve quem tivesse o desejo de copiar a mesma fórmula com o tupiniquim “Joselito, o sem noção“.

“Safety Third” narra a história do escalador americano Brad Gobright, um personagem da escalada americana e que, evidentemente, é muito amigo de Cedar Wright. O escalador possui o desejo de escalar em estilo solo uma determinada via nos EUA. Somente há um problema nisso tudo: Brad Gobright não possui nem o talento, muito menos a força e sequer tem o equilíbrio psicológico de escaladores como Alex Honnold. Inegavelmente possui talento para a escalada, mas não faz parte da elite, porém pensa que faz.

Fazendo um paralelo, seria como um centroavante de um time qualquer do Brasil se comparar à Cristiano Ronaldo apenas pelo número de passes certos. Não bastasse a diferença abismal de Gobright com a elite do esporte que pratica, o escalador é conhecido também por não se preocupar com a sua segurança.

O protagonista logo no início do filme sofre um acidente por sua pura e simples negligência com a própria segurança. Gobright tem de ser resgatado por bombeiros e ficar imobilizado no hospital. Apresentado como um escalador “dirtbag”, Brad logo aparece fazendo fisioterapia (que não é barato nos EUA) e se recuperando em uma casa de classe média. Ou seja, logo nos primeiros minutos do filme, a direção do filme já demonstra ser qualquer coisa, menos crível. A partir de então a qualidade do filme, que já era discutível, desce ladeira abaixo e em alta velocidade.

Outrora o Cedar Wright destacava-se por possuir apenas cenas que atraíam o espectador mais descerebrado, como é nítido nas cenas de escalada em seu fraquíssimo “Pra Caramba” (2012). Wright tenta repetir a fórmula com seu amigo Alex Honnold em “Sufferfest” (2014), sustentando um roteiro frouxo com uma ou outra cena de impacto. Mas o mesmo não acontece com “Safety Third”, pois o desinteresse em produzir algo de qualidade é latente. Ali está evidente a tentativa de criar um “Jackass” da escalada, quase 15 anos depois de a série ser cancelada na MTV.

O mais impressionante, além da total e infinita falta de talento de Cedar Wright para realizar uma produção com uma qualidade mínima, é verificar que o americano confunde de maneira pueril enfrentar riscos com fazer estupidezes. O mais triste é que quer convencer o público desta visão deturpada sobre a escalada. Para isso critica abertamente escaladores fortes de ginásios de escalada, mesmo admitindo que a escalada mudou muito nos últimos 12 anos, mas não consegue enxergar que ele não amadureceu sua visão do esporte.

Várias piadas internas, algumas até de gosto duvidoso, desfilam todo o tempo pela tela. O diretor, determinado a criar um produto cada vez pior que o anterior, resolve enaltecer a negligência de segurança e maturidade do protagonista. Quando “Safety Third” termina, não há nenhuma dúvida de que o esforço de criar um novo baixo nível foi atingido.

Entretanto, após o fim, o gosto amargo de presenciar que foi gasto tempo e dinheiro em uma produção ruim, que poderia ter sido mais bem elaborada, ou no mínimo possuir alguma maturidade, aparece. “Safety Third” parece que foi entregue a alguém que vive em uma eterna adolescência, vivendo no porão da casa dos pais aos 4o anos de idade e assistindo reprises de “Os três Patetas” e “Married with Children” intermitentemente.

Até mesmo este sentimento, de recusar-se a envelhecer, poderia ter sido explorado na produção, mas como não havia nenhum adulto por perto, o “crianção” Wright fez tudo de qualquer jeito, para que os amigos igualmente imaturos rissem das piadas internas. Mas e o público? O público, assim como o esporte, que se dane.

Nota Revista Blog de Escalada:

Formado em Engenharia Civil e Ciências da Computação, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.