Crítica do Filme “Na Natureza Selvagem”

na-natureza-selvagem_2

O que torna um filme cult?

Muitas são as teorias, mas o conceito mais aceito é quando mesmo após sua exibição convida o expectador a refletir sobre o que acabou ser visto.

Toda a reflexão a ser feita nos instiga a assisti-lo novamente, muito disso por nos identificarmos com a situação e decisões dos personagens do filme. na-natureza-selvagem_cartaz

Mesmo com algumas debilidades técnicas, o marketing “boca a boca” torna-se mais eficiente fazendo  com que o culto à histórias e personagens é concretizado.

Retratando um personagem à procura de respostas para muitas perguntas sobre sua vida e existência o  filme “Into To the wild” seguramente é um filme cult, especialmente para os praticantes de esportes  de aventura.

Tidos como “loucos” por frequentar montanhas e vivenciar situações extremas, facilmente se identifica-se  com o personagem Christopher McCandless .

McCandless é um jovem atormentado por fantasmas de sua família, e sai em busca de uma viagem sem rumo definido, mas com um objetivo definido: ir ao Alaska.

No planejamento de sua aventura, propõem-se a realizar aventuras intermediárias para que juntasse conhecimento e recursos (como dinheiro) para o extremo norte da América.

Desenvolvido para soar como uma ode à aventura de maneira poética, e passando por tomadas de imagens exuberantes a direção de Sean Penn mostra-se eficiente e segura na maioria da exibição.

A própria natureza é tratada como um personagem do filme, relacionando-se com a história e o amadurecimento de Christopher.

Inspirado no livro de Jon Krakauer, o filme opta por não usar a narrativa não linear do autor, e coloca os eventos linearmente pontuando com flashbacks.

na-natureza-selvagem_7

A boa atuação do protagonista conseguiu transmitir todo o carisma e empatia que o personagem também possuía no
livro e foi abrilhantada mais ainda pela atuação nas cenas finais de arrancar lágrimas.

A produção optou por não evidenciar a real imprudência do protagonista e não ilustrar a sua soberba diante da
necessidade de ter mais conhecimentos de sobrevivência.

na-natureza-selvagem_6O “Na Natureza selvagem” consegue levantar várias reflexões sobre felicidade e sentido da vida (muito disso por conta dos autores do livros o protagonista lê).

Apesar de estar longe de ser uma obra-prima como obra cinematográfica, mas não resta dúvida que não passa
despercebido quando apreciado.

Neste detalhe de sempre tocar a psique do espectador que reside o verdadeiro valor do filme: refletirmos sobre nossas escolhas e suas consequências.

Neste detalhe reside a principal qualidade do filme, e que faz com que o público se identifique tão intensamente com Chris e suas situações.

Esta química é talvez a explicação mais coerente (mas não racional) de que “Na Natureza Selvagem” é o filme mais representativo do espírito do praticante de esportes outdoor.

Nota Revista Blog de Escalada:  

na-natureza-selvagem_4

Formado em Engenharia Civil e Ciências da Computação, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.