Crítica do Filme “Na Natureza Selvagem”

na-natureza-selvagem_2

O que torna um filme cult?

Muitas são as teorias, mas o conceito mais aceito é quando mesmo após sua exibição convida o expectador a refletir sobre o que acabou ser visto.

Toda a reflexão a ser feita nos instiga a assisti-lo novamente, muito disso por nos identificarmos com a situação e decisões dos personagens do filme. na-natureza-selvagem_cartaz

Mesmo com algumas debilidades técnicas, o marketing “boca a boca” torna-se mais eficiente fazendo  com que o culto à histórias e personagens é concretizado.

Retratando um personagem à procura de respostas para muitas perguntas sobre sua vida e existência o  filme “Into To the wild” seguramente é um filme cult, especialmente para os praticantes de esportes  de aventura.

Tidos como “loucos” por frequentar montanhas e vivenciar situações extremas, facilmente se identifica-se  com o personagem Christopher McCandless .

McCandless é um jovem atormentado por fantasmas de sua família, e sai em busca de uma viagem sem rumo definido, mas com um objetivo definido : ir ao Alaska.

No planejamento de sua aventura, propõem-se a realizar aventuras intermediárias para que juntasse conhecimento e recursos (como dinheiro) para o extremo norte da América.

Desenvolvido para soar como uma ode à aventura de maneira poética, e passando por tomadas de imagens exuberantes a direção de Sean Penn mostra-se eficiente e segura na maioria da exibição.

A própria natureza é tratada como um personagem do filme, relacionando-se com a história e o amadurecimento de Christopher.

Inspirado no livro de Jon Krakauer, o filme opta por não usar a narrativa não linear do autor, e coloca os eventos linearmente pontuando com flashbacks.

na-natureza-selvagem_7

A boa atuação do protagonista conseguiu transmitir todo o carisma e empatia que o personagem também possuía no
livro e foi abrilhantada mais ainda pela atuação nas cenas finais de arrancar lágrimas.

A produção optou por não evidenciar a real imprudência do protagonista e não ilustrar a sua soberba diante da
necessidade de ter mais conhecimentos de sobrevivência.

na-natureza-selvagem_6O “Na Natureza selvagem” consegue levantar várias reflexões sobre felicidade e sentido da vida (muito disso por conta dos autores do livros o protagonista lê).

Apesar de estar longe de ser uma obra-prima como obra cinematográfica, mas não resta dúvida que não passa
despercebido quando apreciado.

Neste detalhe de sempre tocar a psique do espectador que reside o verdadeiro valor do filme : refletirmos sobre nossas escolhas e suas consequências.

Neste detalhe reside a principal qualidade do filme, e que faz com que o público se identifique tão intensamente com Chris e suas situações.

Esta química é talvez a explicação mais coerente (mas não racional) de que “Na Natureza Selvagem” é o filme mais representativo do espírito do praticante de esportes outdoor.

Nota Revista Blog de Escalada :  

na-natureza-selvagem_4

Sobre o Autor

Luciano Fernandes

Luciano Fernandes

Engenheiro e Analista de Sistemas, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha e Argentina. É totalmente dedicado ao esporte de escalada em rocha e é apaixonado em filmes Outdoor. Para aproveitar melhor esta paixão fez curso de documentário na Escola São Paulo, além dos cursos de “Linguagem Cinematográfica” e “Crítica de cinema”. Foi jurado do Rio Mountain Festival. Já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Espanha, Uruguai e Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.