Crítica do filme “Climbing El Capitan”

Climbing-El-Capitan-6No processo de aprendizado de todos já passamos por situações nas quais uma ideia parecia brilhante em nossas cabeças, mas quando executada não correspondeu à expectativa.

Na produção de filmes e documentários este tipo de acontecimento parece ainda mais intenso e sensível pois é visível a todos.

Por mais que tenha a intenção de emocionar o expectador na tentativa de narrar uma história interessante e mostrar mínimos detalhes e qualquer fato como escaladas em montanhas inóspitas, ou escalada em lugares desafiadores, há a necessidade de estudar profundamente qual abordagem e maneiras com que o público irá digerir o conteúdo.

Este tipo de preocupação é que faz com que uma produção seja merecedora da palavra “filme” , se distanciando do que seria um “video para amigos e família”.

Por este tipo de preocupação é que filmes outdoor devam ser exibidos em salas de cinema para que o espectador tenha imersão total na história e personagens.

Contar história de pessoas comuns (leia-se não profissionais) realizando aventuras contém um grande charme pois abordará situações corriqueiras e terá fácil identificação com o público.

Climbing-El-Capitan-5

Dependendo da abordagem feita o público terá fácil e rápida identificação com os personagens que vivenciam as dificuldades, dramas e redenção, como conseguiu o  excelente filme britânico “Push it”.

Coincidentemente no mesmo lugar que a produção citada, “Climbing El Capitan” é uma produção independente que procura contar a aventura de dois escaladores Ryan Lee Eubank e Voltaire Valle em uma das escaladas mais desafiadoras existentes.

Para vencer os 1.000 metros de escalada em rocha, é necessário dormir em porta-ledge, defecar em sacos plásticos e utilizar travessias em pêndulos, escalar por várias enviadas todo o dia, além do tradicional fato de ter de “engolir o choro” todo o tempo.

Climbing-El-Capitan-4Quando é documentado a escalada no “El Capitan”, poucas vezes são com escaladores que não são considerados a elite.

Filmes como “Alone in The Wall”, entre tantos outros, mostram muito poucos detalhes das dificuldades da via.

Adotando o formato de filmar os integrantes após a aventura narrando os acontecimento, e mesclando com as imagens captadas, “Climbing El Capitan” procura dissecar em mínimos detalhes a aventura.

Entretanto os produtores erraram um pouco a mão no formato e a produção se assemelhou muito a uma palestra com imagens captadas, do que um filme propriamente dito.

Há muitas declarações com “piadas internas” da dupla, e excesso de tomadas com a câmera goPro no capacete dos escaladores, falta de qualidade em várias tomadas, e , em certos momentos, ausência de linearidade que norteasse a historia.

O tempo é marcado por forma de legendas, mas não há uma marcação de qual enfiada estão os escaladores. Pontos interessantes como mostrar como está o corpo de cada integrante antes e depois poderia evidenciar o quão desgastante é a escalada.

O formato de “palestra filmada” o filme começa a se arrastar a partir de sua metade, e torna-se repetitivo e lento próximo ao seu final.

Por esta característica é inevitável que a atenção do espectador comece a dispersar em elementos fora do filme como conversas paralelas, conferência de redes sociais no telefone e assim por diante.

Climbing-El-Capitan-3

A abordagem, contudo, é interessante apesar de não tão bem executada, pois há poucos filmes adotando a escalada em Yosemite por escaladores “não elite”.

O filme “Climbing El Capitan” parece ter esquecido também de dar mais atenção a detalhes como paisagem, preparação para o desafio e histórico de escaladas da dupla.

Detalhes estes que tornariam a dupla mais próxima do público, e que daria outro ritmo à produção.

“”Climbing El Capitan” é uma produção interessante, mas que carece de maior preocupação com o produto final e assim poderia ser muito mais profundo.

Nota Revista Blog de Escalada: 

Climbing-El-Capitan-2

Climbing-El-Capitan-1

Engenheiro e Analista de Sistemas, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.