Eslovenos dominam pódio na 2ª etapa da Copa do Mundo de Escalada

A segunda etapa da Copa do Mundo de Escalada, realizada no final de semana em Moscou, confirmou a atual superioridade dos atletas da Eslovênia. A etapa não contou com os principais escaladores da seleção japonesa, que se concentra para a próxima etapa daqui a 15 dias na China. Desta maneira atletas como Janja Garnbret e Jernej Kruder, além da supressa da competição Lucka Rakovec, de 17 anos e que já tinha participado dos Jogos Olímpicos da Juventude em Buenos Aires, fizeram o time esloveno dominar as finais.

Enquanto na primeira etapa não houve polêmicas em relação ao estilo implementado pelos route setters, a de Moscou não ficou sem reclamações.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por IFSC (@ifsclimbing) em

A grande surpresa do evento ficou pelo segundo lugar de Adam Ondra, atualmente considerado o maior escalador esportivo da atualidade. Com uma performance impecável, o esloveno Jernej Kruder mostrou que não há escalador considerado invencível.

Aliás, Jernej se classificou em último nas semifinais e surpreendeu a todos com uma escalada quase perfeita. O destaque no masculino também ficou por conta de um escalador de apenas 15 anos chegando à final: Rei Kawamata. O japonês embora tenha se classificado para as semifinais em segundo, acabou ficando com a quinta colocação.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Explosive: Adam ONDRA (CZE) after topping the 4 Semis boulders (he has been the only one). #IFSCwc

Uma publicação compartilhada por IFSC (@ifsclimbing) em

No feminino não houve muitas supressas, já que Janja Garnbret confirmou ser o grande nome da atualidade e a grande favorita da temporada. A eslovena conseguiu fazer uma escalada na final perfeita, com quatro tops em apenas quatro tentativas. Algo digno de cinema.

A grande surpresa foi sua compatriota Lucka Rakovec, de apenas 17 anos de idade, chegar a quase figurar no pódio. A escaladora Shauna Coxsey mostrou que está recuperada da lesão que teve no ano passado, chegando ao segundo lugar com boa performance, mesclando um estilo mais técnico e menos de força.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por JANJA GARNBRET (@janja_garnbret) em

Quem assistiu a etapa da Rússia teve a impressão de que as linhas da semifinal, especialmente as das mulheres, estavam muito mais exigentes do que as das finais. A final feminina, por exemplo, grande parte das competidoras fizeram quase todos os tops.

A vencedora Janja Garnbret, por exemplo, teve um rendimento razoável nas semifinais, mas conseguiu escalar facilmente todas as linhas da final à vista. O mesmo pode-se dizer de Jernej Kruder que nas semifinais classificou-se em sexto, porém nas finais chegou a desbancar o favoritíssimo Adam Ondra.

Sul-americanos

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Valentina Aguado (@valeaguado) em

Os sul-americanos tiveram um rendimento satisfatório. A argentina Valentina Aguado foi quem obteve a melhor classificação entre as mulheres sul-americanas: 39º (de um total de 91). Aguado ficou a uma distância relativamente pequena da “zona das semifinais” (20 primeiros classificados), demonstrando que ela possui chances reais de sonhar com a olimpíada. A equatoriana Andrea Rojas, que tinha se saído muito bem na velocidade, ficou em 83ª (de um total de 91).

O equatoriano Danny Valencia também ficou abaixo do que já rendeu em outras etapas: 83º (de um total de 107). O escalador Carlos Granja foi o melhor sul-americano classificado: 39º, ficando a uma boa distância da “zona das semifinais”. O brasileiro César Grosso também competiu em Moscou, ficando em 71º (de um total de 107).

Polêmicas no Route Setter

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por LUČKA RAKOVEC (@luckarakovec) em

Entretanto, analisando friamente os classificados e sua performance nas finais, é fácil creditar a uma espécie de estratégia dos eslovenos, assim como intuir que existem níveis diferentes de concentração e determinação.

Como existem três provas (classificatórias, semifinais e finais), é possível imaginar que cada atleta adota estratégias diferentes para poupar-se. Além disso, as semifinais e finais, são disputadas no mesmo dia o que, embora não pareça, há um desgaste físico. Portanto, quem “escalou para o gasto” nas semifinais, parece que sobrou nas finais.

Na final da categoria feminina ficou com Janja Garnbret (Eslovênia), Shauna Coxsey (Inglaterra), Fanny Gibert (França), Lucka Rakovec (Eslovenia), Jéssica Piltz (Áustria) e Futaba Ito (Japão).

Na final da categoria masculina ficou com Jernej Kruder (Eslovênia), Andam Ondra (República Tcheca), Yushiyuki Ogata (Japão), Anze Peharc (Eslovênia), Rei Kawamata (Japão) e Vadim Timonov (Rússia).

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.