Conversando francamente sobre homossexualismo no universo outdoor

Por Marcus Aram

A homofobia no mundo do esporte outdoor existe e é muito frequente. Embora , ao longo dos anos pessoas importantes e conhecidas se escorregaram no preconceito e foram muito criticadas por isso ,ou até perderam contratos importantes .

Eu sou homossexual e praticante de esportes de aventura como por exemplo, escalada, pedal, canoagem e principalmente o montanhismo.

homossexualismo

Afirmo, no entanto, que o preconceito existe sim, pois eu mesmo já vivenciei comentários homofóbicos do tipo:

Mas você?  Ah! Ele não vai dar conta disso! É muito pesado pra você!

Como se a sexualidade interferisse na capacidade do ser humano.

O conservadorismo é recorrente nesse tipo de esporte. Nos grandes grupos outdoors ,quase não se vê gays e lésbicas , a proporção é injusta. Eu creio que esse numero é tão pequeno ,porque o nosso espaço enquanto aventureiros também é pequeno. É uma sensação de que tudo de melhor esta reservado para os heterossexuais.

Hoje em dia, embora o preconceito ainda exista (e na minha opinião temos bastante tempo de luta pela frente) percebo uma aceitação menos preconceituosa. Os grupos que frequento, por exemplo, não só me apoiam como me incentivam, fiz no esporte outdoor grandes parceiros e amigos.

Recentemente, fui convidado por um amigo , músico e montanhista, conhecido como Bernardo do Espinhaço, para protagonizar junto com outro amigo, um clipe de sua nova musica (Que é pra você saber) cuja história se trata de um casal gay de montanhistas.

Clipe polêmico, pois conta a história de amor e cumplicidade dos dois com cena de beijo no final. Novidade que “incomoda” no universo outdoor.

Porém, a receptividade não pôde ser melhor. Críticas sempre existem, mas não foram ofensivas ou destrutivas .

Sou muito grato ao meu amigo e todos os envolvidos na produção pela oportunidade de tentar quebrar um pouco deste gelo de uma maneira tão linda .

Sobre o Autor

Da Redação

Da Redação

Equipe da redação

There are 11 comments

  1. Maria Angélica

    Seu texto me contemplou bastante, sou escaladora, pratico Montain bike, trekking e todos esportes que tiverem outdoor eu me habilitou a fazer. Sinto esse preconceito e essas piadinhas homofóbicas na pela, já que sou lésbica. É nítida a exclusão, apesar de com mulheres isso ser mais velado por causa da feitichização dos homens. Eu como militante do movimento LGBT pra além de tudo, admiro você por escrever esse texto, mas só peço que retire a palavra homossexualismo, já que o “ismo” significa doença que foi excluída do Cid na década de 90 após muita luta do movimento LGBT. A terminologia correta é homossexualidade. Mas continue a escrever. Gosto e acompanho seu blog.

  2. Jefferson

    Apoio totalmente o combate ao preconceito. Tanto no esporte quanto na vida.

    Mas a colocação “proporcao injusta” não faz o menor sentido. É quase igual quando querem culpar os homens pelo fato mulheres não se interessarem tanto por cargos na política. Isso não é culpa de ninguém e não é questão de justiça. As pessoas tem liberdade de se interessar ou não por qualquer coisa. Por exemplo, em minha cidade há muito poucas mulheres trabalhando como gari. É uma proporção injusta?

    O atual conceito de justiça social muitas vezes perde a credibilidade por conta do excesso de vontade e falta de bom senso.

  3. Neutro

    Sinceramente , eu não entendo o porquê que a galera do LGBT querem sair gritando aos 4 cantos do mundo dizendo que é gay e lésbica, e o pior impor seu posicionamento. Na minha opinião eu não teria problema algum em ter pessoas num grupo de amigos gays ou lésbicas, porém prezo muito que eles se comportem de acordo e mantenham a compostura. Eu acho muito nada a ver e estranho você está convivendo socialmente, a pessoa dando chilique e querendo aparecer (Isso não acontece com as lésbicas). E outra coisa nada a ver, ficar colocando essas fotos pessoas do mesmo sexo se beijando é muito ofensivo na minha opinião. Poderiam se limitar a colocar as pessoas de mãos dadas. Deve-se respeitar as héteros em relação a isso e Vice-versa.

    1. Marley

      Ofensivo duas pessoas do mesmo sexo se beijando? Foda-se sua opinião! Ofensiva é a violência que você transmite se escondendo atrás de um nick escroto chamado Neutro.
      Gente preconceituosa como você é culpada pelo caos que o mundo se encontra, com a justificativa de prezar pelos bons costumes.
      Ninguém quer sair gritando aos quatro cantos sua orientação sexual, pelo fato de ter que se deparar com indivíduos de pensamento menor do que um grão de areia, como é o seu caso.
      Certamente seu lugar não é na montanha e em nenhum outro lugar que propague a liberdade. Seu lugar é num calabouço escuro, seu cuzão, hipócrita de merda.

  4. Diego

    Ótima leitura!
    O preconceito existe em qualquer universo, não apenas no outdoor. Porém acredito que a galera que curte natureza tem uma tendência a ser mais livre de preconceitos.
    Talvez seja um pensamento um pouco vitimista ter a sensação de que tudo de melhor está reservado para os heterossexuais. Acredito que seja apenas uma questão de perfil. Como não temos muitos gays na montanha ou estudando engenharia mecânica, não vemos tantos heteros no fã clube da Madonna ou sendo comissários de bordo. Não é questão de ser melhor ou pior.
    O clipe é incrível e um grande passo para acabar com o preconceito, que é reflexo da ignorância. Quanto mais cenas gays na mídia, menos olhares de julgamento receberemos no dia-a-dia. Ser gay é natural em qualquer grupo, em qualquer universo.

  5. Victor

    De fato…
    A materia esta muito bacana.
    Só que o sufixo “ismo” é usado para termo de doença, e homossexualismo foi retirado pela OMS em 95 por não ser uma doença (avá, rs), o subistintuindo para homossexualidade pois é tão normal quanto a heterossexualida.
    Mas enfim, realmente essa coisa boba de falar que trilhas, escaladas e etc; São resevadas apenas a heterossexuais é incrivel como se vê a frequencia com que acontece.

  6. Felipe

    “Nos grandes grupos outdoors ,quase não se vê gays e lésbicas , a proporção é injusta”, ué, talvez isso reflita a estatística da população como um todo. Todos que conheço do meio outdoor tem a mente aberta e não veem nenhum problema na preferência sexual de outro praticante do esporte.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.