Como prevenir e combater o chulé em calçados de montanha

Todas as pessias que treinam constantemente e praticam periodicamente seu esporte de natureza já teve de conviver com o mau cheiro oriundo do uso extensivo de calçados: o chulé.

Com o inverno os pés tendem a ficarem “confinados” dentro de tênis, sapatos, botas, galochas, sapatilhas de escalada etc.

Alguns calçados como a sapatilha de escalada  é usada em sua maioria sem meia, muito para aumentar a precisão do calçado.

Chulé é o nome popular dado à bromidrose (também denominado podobromidose) quando acontece nos pés e é causada por predominantemente dois motivos: suor excessivo na planta dos pés e/ou falta de higiene.

Qualquer pessoa, independente da idade ou do sexo, está suscetível a ter chulé.

chule-3

Prevenção básica

A pele dos pés precisa de atenção para se manter sempre limpa, hidratada e livre de microrganismos, como os fungos e bactérias, que se desenvolvem bem em ambientes onde existe pouca ou nenhuma luz, bastante umidade e matéria orgânica morta, como as células que descamam dos pés.

Estes microrganismos alteram as condições naturais da pele dos pés e provocam o odor desagradavel, popularmente conhecido como chulé .

Em dias mais frios e úmidos uma boa opção é usar um secador de cabelo para ajudar na secagem, antes de calças meias e sapatos.

Importante lembrar que buchas, escovas e esponjas usadas devem ser completamente enxaguadas e secas após o uso.

Estas mesmas buchas, escovas e esponjas e trocadas periodicamente. O período máximo destes equipamentos a serem trocados é de no máximo a cada 30 dias para assim evitar que também tornem-se focos de contaminação microbiana.

Cuidados Diários

A higiene dos pés é fundamental para evitar a proliferação dos fungos e bactérias.

Estes microrganismos encontram na umidade e temperatura resultante do confinamento aos sapatos as condições ideais para sua multiplicação.

O banho diário é a etapa mais importante para assegurar a limpeza, a remoção de células mortas e áreas endurecidas.

Durante o banho esfregue delicadamente o contorno de unhas, cutículas e entre os dedos, retirando as impurezas acumuladas.

Enxague abundantemente, para que o produto seja removido de forma eficaz.

Resíduos eventuais de produto de limpeza podem ressecar e irritar a delicada pele entre os dedos, favorecendo a contaminação fúngica.

Lembre-se de secar muito bem os pés, especialmente a área entre os dedos e ao redor das unhas para diminuir ao máximo a umidade que favorece a multiplicação dos fungos e bactérias.

Desodoridação dos pés

Permanecendo com os pés calçados e totalmente cobertos por muitas horas, deve ser adotado o uso de desodorantes específicos para esta parte do corpo. Os famosos “talquinhos”.

Um agente anti-microbiano de grande uso em formulações desodorantes para os pés é o Triclosan que é um potente germicida e que elimina bactérias presentes na região dos pés.

Após o banho deve-se pulverizar toda a extensão dos pés com um desodorante pédico antes de calçar as meias e sapatos.

É ideal borrifar o desodorante pédico também a parte interna do calçado e esperar a secagem completa para ser calçado.

Mantenha os calçados sempre limpos e secos, guardados em local bem ventilado e livre de umidade.

Hidratação e calosidades

A massagem diária dos pés proporciona bem-estar e estimula a circulação sanguínea, melhorando assim a oxigenação de tecidos cutâneos além re proporcionar um relaxamento.

A hidratação deve ser realizada com o auxílio de produtos que aliviam o cansaço dos pés.

Além de tonificar a estrutura dos pés, a massagem com produtos hidratantes garante a proteção da pele e aumenta a resistência dos pés contra os microrganismos (fungos e bactérias).

Aproveite o momento quando produto está sendo absorvido através da pele, para permitir o arejamento dos dedos.

Tratamento caseiro

chule-2No tratamento de chulé, uma metodologia simples é lavá-los com sal diariamente, e de maneira gradativa.

Este tipo de procedimento vai reduzir a quantidade de suor.

Os pés podem ser submersos em uma bacia com água morna com aproximadamente de 4 colheres de sopa de sal, e deixe-os mergulhados por aproximadamente 10 minutos.

Após isso deixe os pés que secarem naturalmente.

O processo também funciona utilizando chá verde ou preto. Para esta alternativa a imersão diária deve ser de 15 a 20 minutos.

Alguns casos mais extremos o uso de vinagre é indicado : em uma bacia despeje água morna e adicione 2 colheres de vinagre de vinho branco ou de maçã.

Deixe os pés de molho por 10 minutos, e deixe secar ao natural (Esta alternativa deve ser feita à noite, antes de dormir) e coloque meias em seguida. Não deve ser colocado o calçado.

Formado em Engenharia Civil e Ciências da Computação, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.