Como podemos confiar no corpo e diminuir a interferência mental na escalada

A escalada consiste em ficar entre posições de descanso e movimento. Assim temos de focar a mente nos pontos de parada, e confiar que o corpo se mexa quando escalar estes dois pontos. Um dos movimentos mais difíceis de manter a concentração durante a escalada é quanto temos de confiar no corpo. Como podemos confiar no corpo e diminuir a interferência mental? Sejamos intencionais com a forma de escolher onde focar nossa atenção.

Comecemos por compreender a importância de trocar a atenção à mente e ao corpo. Utilizamos a atenção de maneira diferente quando pensamos com a mente, diferentemente de quando tomamos medidas com o corpo. Portanto ao prestar atenção no que pensar, e no que fazer, sendo a mente ou corpo, é importante não dividir o foco entre ambos.

Foto: http://ob15.dsbeta.com/

Foto: http://ob15.dsbeta.com/

Por exemplo, aprendemos um grupo de exercícios para desenvolver a confiança no corpo e a consciência das interferências à mente. A intensão destes exercícios é aproveitar o conhecimento inato do corpo de mover-se. Se a mente estiver pensando quando nos movemos, irá interferir nos movimentos naturais do corpo.

Portanto a atenção se dividirá entre a mente e o corpo, diminuindo o compromisso do corpo com a atenção.

O primeiro exercício de movimento se chama “seguindo os olhos”. Nossos olhos se movem para cima e para baixo de forma automática à medida que escalamos, procurando onde agarrar e pisar. Instruímos os estudantes a agarrar a primeira agarra que aparece aos olhos, em vez de de “procurar” outras agarras. A primeira agarra que vem aos seus olhos indica a primeira que o corpo quer utilizar. A segunda, terceira, e assim por diante, agarras que os olhos captem indica o desejo da mente de uma sujeição maior.

Temos participantes que fazem o exercício em “top-rope” para eliminar a consequência de uma queda. Isso diminui o medo de cair e os ajuda a comprometer-se a fazer a atividade como prevista.

Entretanto, as mentes dos participantes ainda interferem na intenção do exercício. Apesar de recomendarmos agarrar, ou pisar, na primeira agarra, eles ainda tendem a procurar outras agarras maiores caso o primeiro seja pequeno.

Foto:http://www.stuff.co.nz/

Foto: Jake Stanley | http://www.stuff.co.nz/

Esta tendência de “procurar” ocorre principalmente para boas agarras de mão, e não tanto em pontos de apoio dos pés. Inicialmente os participantes acreditam que a intenção do exercício é utilizar a primeira agarra grande que vem aos seus olhos, somente se os ajudar a escalar e não cair. Para eles não tem sentido esperar quando está mais perto de uma agarra maior.

Como instruções, deixamos claro a intenção aos participantes : não é escalar e não cair, é desenvolver a consciência de como a mente interfere no corpo.

Os participantes aprendem a forma de esclarecer a intenção de várias maneiras.

  1. Esclarecer a motivação
  2. Desviar a atenção
  3. Conhecimento experimental.

Em primeiro lugar esperamos que os participantes comecem com uma tendência de desejar uma melhora imediata. Mudamos sua motivação para valorizar o seu aprendizado, à medida que avançamos através dos quatro exercícios de movimento.

Esta mudança somente pode ser feita intelectualmente, mas sem ter que incluir a experiência de fazer os exercícios.

Por exemplo, podemos começar a fazer esta mudança no que foi colocado em comum no primeiro exercício de movimento: “Siga os olhos”. A proposta em comum inclui a compreensão intelectual que os participantes antes do exercício teriam. A experiência de fazer o exercício, e a síntese dos dois, como observadores e perguntas.

Os participantes se dão conta de como o corpo lhes indicou onde agarrar e as ações que realmente executaram. Se agarraram ou usaram a primeira agarra? Afinal, de fato estavam em “top rope” sem consequências de uma possível queda? O corpo viu a primeira agarra por uma razão muito específica.

arno-ilgner-2

Foto: Brudder Productions RJ Sauer | http://www.gettyimages.com/

Esta razão é a necessidade inata do corpo se manter em equilíbrio. Tomar consciência de como o corpo nos conduz e , assim, ajuda a confiar nele.

Em segundo lugar, a mente distrai a atenção do momento presente. Por exemplo, quando os participantes vêem que a primeira agarra é pequena, a mente julga. A hesitação se encontra ainda no futuro antes que a mão agarre. A conexão entre mão e agarra se produz no momento presente, quando a mão aperta a agarra e a utiliza.

Quando executam a ação de apertar a agarra, no geral sentem que não caem. O corpo se ajusta automaticamente ao equilíbrio para a agarra que utiliza. O uso da menor agarra amplia o conhecimento experimental existente na mente quando se depara com outras possibilidades. Os participantes perdem oportunidades de aprendizagem ao permitir que a mente distraia sua atenção.

Em terceiro lugar sabemos algo quando experimentamos, nunca antes. Os participantes aprendem a importância do conhecimento experimental, no lugar de simplesmente a intelectualização do que é possível. Temos conhecimento intelectual através de realizar uma conexão com uma agarra.

Apertando a agarra é a experiência. A retenção será eficaz se nos permitir escalar, o não será se cairmos. Conhecemos a eficácia das agarras na base da experiência, não do pensamento intelectual.

Foto: http://www.thecenterfocus.com/

Esclarecer a motivação, a tomada de consciência da atenção, e o valor do conhecimento experimental nos da uma base sólida para trabalhar com a mente. Estes são descobrimentos, e conhecimentos, sobre a relação adequada com a mente, sabendo que nos da informação incompleta antes de experimentar um evento. Este conhecimento ajuda a desprendermos das formas limitantes da mente, no lugar de acreditar em tudo o que ela nos diz.

A atenção é de grande alcance. Se define como “concentrar a atenção na direção de uma escolha”. Escolhemos focar nossa atenção com a confiança no nosso corpo quando nos movemos. Ao tomar consciência da interferência da mente, melhoramos a capacidade de confiar no corpo.

Não deixando que a mente interfira com a forma de escolhermos para focar nossa atenção, aprendemos a focar a atenção por completo ao corpo quando nos movemos.

1-WarriorsWaylogo_

O livro “The Rock Warrior Way – Mental Training for Climbing” está à venda traduzido para a língua portuguesa no Brasil em: http://www.companhiadaescalada.com.br/

Arno Ilgner distinguiu-se como um escalador pioneiro nos anos 1970 e 80, quando as principais ascenções foram as primeiras fortes e perigosas. Essas façanhas pessoais são a base para Ilgner desenvolver o programa de treinamento físico e mental – Rock Warrior Way ®. Em 1995, após uma pesquisa aprofundada da literatura e prática de treinamento mental e as grandes tradições guerreiras, Ilgner formalizado seus métodos, fundou o Instituto Desiderata, e começou a ensinar seu programa de tempo integral. Desde então, ele tem ajudado centenas de estudantes aguçar a sua consciência, o foco de atenção, e entender seus desafios de atletismo (e de vida) dentro de uma filosofia coerente, baseada em aprendizado de tomada de risco inteligente. Ilgner considera a alegria e satisfação no esforço – a “viagem” – intimamente ligada à realização bem sucedida das metas.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.