Como manusear corretamente o grigri – Utilizando a técnica do fabricante

Eu sou um fã incondicional de manuais de instrução. Esses livrinhos cheios de letras pequenas nos mostram tudo aquilo que os engenheiros gastaram anos pensando e idealizando no processo de desenvolvimento de um produto. Eu, como tenho muito juízo, tento seguir à risca o que eles nos dizem. Começamos aqui uma série dentro do Montanha Segura que tentará mostrar as recomendações dos fabricantes dos principais equipamentos utilizados na escalada: “Aprenda com o fabricante”.

Na escalada esportiva o equipamento assegurador mais utilizado no mundo certamente é o grigri (aqui você consegue ter uma ideia de outros freios auto-blocantes existentes no mercado). Sua facilidade no manuseio e capacidade auto-blocante fizeram dele líder incontestável de popularidade. Ele é realmente uma bela obra de engenharia e com alguns cuidados básicos pode te ajudar em muito a garantir a segurança da sua escalada.

Para quem tiver interesse, é possível baixar o manual de instruções do Grigri 2 no site da Petzl clicando aqui.

Princípio de funcionamento

O grigri tem o mesmo princípio de funcionamento de um cinto de segurança: a corda corre pelo aparelho se puxada devagar e trava se puxada rapidamente. O responsável por isso é um sistema de cam com mola que “morde” a própria corda quando uma carga é gerada na corda do escalador.

  • Como instalar a corda no grigri
Foto: Rafael Gribel

Foto: Rafael Gribel

A Petzl é uma empresa muito preocupada com o design dos seus produtos e tenta facilitar sempre a vida do usuário. No grigri ela colocou dois desenhos para indicar a posição das cordas: escalador e mão de segurança. Além disso, o manual de instruções do grigri mostra ele sempre preso ao loop da cadeirinha com um mosquetão HMS com trava (automática ou de rosca).

Foto: Rafael Gribel

Foto: Rafael Gribel

Aqui um tópico às vezes polêmico: muita gente gosta de clipar o mosquetão do grigri nas duas alças da cadeirinha.

O grigri não foi projetado para ser utilizado preso às duas alças. Quando um aparelho não é projetado para um determinado uso, isso significa que o fabricante não realizou nenhum tipo de teste nesta configuração e, portanto, não consegue informar com segurança se existe algum modo de falha.

rafael-gribel-julho-4

Essa configuração pode gerar uma torção no aparelho no caso de uma queda e não há como saber se essa torção poderá ou não prejudicar o funcionamento.

A recomendação geral é sempre utilizar os equipamentos para aquelas finalidades para as quais o equipamento foi projetado e extensivamente testado pelo fabricante.

  • Manuseio da corda no grigri

São 6 as situações comuns, previstas no manual, no uso do grigri em uma escalada guiada:

1 – Posição primária de asseguramento

O assegurador deverá estar atento ao escalador que está guiando, sempre segurando a corda que sai do freio para baixo com a mão direita

Foto: Rafael Gribel

Foto: Rafael Gribel

2 – Liberando corda para a progressão do guia

À medida que o guia progride na via, o assegurador deverá liberar a corda gradativamente, garantindo que não haverá uma “barriga” de corda muito grande e ao mesmo tempo sem travar ou atrapalhar a sua progressão.

Isso deve sempre ser realizado preferencialmente sem que as mãos estejam no freio, somente “alimentando” a corda através do grigri.

Foto: Rafael Gribel

Foto: Rafael Gribel

3. Liberando corda rapidamente para o guia costurar

No momento que o guia for costurar será necessário liberar corda rapidamente. Para isso, a Petzl recomenda o seguinte procedimento:

  • Trazer a mão direita com a corda de baixo próximo ao freio
  • Com o polegar da mão direita, segurar a alavanca
  • Com a mão esquerda, puxar a quantidade de corda necessária
  • Soltar a alavanca e recolher a sobra de corda com a mão direita retornando a posição primária
Foto: Rafael Gribel

Foto: Rafael Gribel

Foto: Rafael Gribel

Foto: Rafael Gribel

Esse procedimento tem o objetivo de minimizar ao máximo o tempo que o assegurador segura a alavanca (bloqueando assim o travamento automático no caso de uma queda).

4 – Recolhendo a sobra de corda

Alimente a corda para dentro do grigri com a mão esquerda e recolha a corda com a mão direita.

Foto: Rafael Gribel

Foto: Rafael Gribel

5 – Segurando uma queda

Segure a corda de baixo do freio com a mão direita mantendo a posição primária.

Foto: Rafael Gribel

Foto: Rafael Gribel

6 – Descendo o escalador

Para descer o escalador, puxe a alavanca com a mão esquerda mantendo sempre a mão direita na corda de baixo.

Foto: Rafael Gribel

Foto: Rafael Gribel

Foto: Rafael Gribel

Foto: Rafael Gribel

Uma última recomendação do manual é fazer um nó na ponta da corda que sobrou.

Esse nó serve para prevenir que, durante a descida do escalador, a corda não acabe e passe diretamente pelo freio.

Por mais improvável que isso possa parecer, essa é uma das grandes causas de acidentes que vemos todos os anos no mundo todo. Nesse caso o nó mais utilizado é o nó de frade duplo.

Foto: Rafael Gribel

Foto: Rafael Gribel

Foto: Rafael Gribel

Foto: Rafael Gribel

montanha-segura-banner

Rafael é mineiro, montanhista e presidente da FEMEMG.

There are 6 comments

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.