Como fazer o seu ego parar de inventar desculpas para justificar os motivos de suas falhas

Quantas vezes já falhamos em vias que tínhamos a expectativa de sucesso e depois inventamos desculpas para justificar o motivo de falhar? Talvez seja um grau no qual já tivemos sucesso muitas vezes. Nos sentíamos no direito de ter sucesso; portanto falhar pareceu injusto.

O ego quer ter sucesso para sustentar seu sentido de auto-importância. Ele se sente importante quando conquista algo.  Reciprocamente, sua importância é ameaçada quando não conquista e ele fará tudo que puder para proteger sua auto-importância.

Se somos capazes de escalar 7º grau, o ego se sente no direito de continuar a ter sucesso em vias desse grau. Se cairmos, ele justificará a falha dando desculpas, tais como: “Eu teria conseguido, mas meu pé escorregou”, “Eu teria conseguido, mas o segurador travou minha corda”, “eu poderia ter escalado, mas estava muito bombado para continuar”.

Todas essas declarações poderiam ser verdadeiras: nosso pé escorregou, o segurador nos travou, estávamos muito bombados. No entanto, as desculpas protegem o ego e desviam nossa atenção para o que ele prefere que seja a situação, em vez de estar no que ela é de fato. Em vez de proteger o ego com desculpas, devemos destroná-lo.

Foto: http://knowledge.cotswoldoutdoor.com/

Foto: http://knowledge.cotswoldoutdoor.com/

As desculpas do ego interferem no processo de aprendizagem e como usamos nossa atenção. Ele cobre informações relevantes necessárias para a aprendizagem, como um véu escondendo uma joia. Portanto, o ego se protege focando nossa atenção no véu em vez da joia, sentindo-se no direito de tê-la – a aprendizagem – enquanto resiste ao trabalho necessário para merecê-la.

Para ir além da sensação de direito do ego, devemos mudar nossas expectativas. Não espere obter sucesso, espere exercer esforço. O esforço nos ajuda a retirar o véu para que possamos merecer a joia, e assim removemos as desculpas e revelamos a oportunidade de aprendizagem. Fazemos isso em três passos:

  1. Observar a mente distraindo nossa atenção.
  2. Identificar porquê caímos.
  3. Fazer as coisas de forma diferente na próxima vez que escalarmos.

Primeiro, observamos a mente. Percebemos que o ego foca nas conquistas, distraindo nossa atenção para o que ele prefere que a situação seja, em vez de vê-la como ela é. Portanto, observamos se estamos criando desculpas sobre o motivo da queda e paramos tal comportamento.

Segundo, existem motivos por termos caído. Quais foram? Quais pensamentos estavam na mente quando caímos? Precisamos ser objetivos para ver a situação como ela é. Descrevemos o que ocorreu para identificar alguma informação específica que causou a queda. Talvez um pé tenha escorregado, o segurador nos travado ou pensamos estar muito bombados para continuar a escalar, como mencionamos mais cedo.

Foto: http://dailymail.co.uk

Foto: http://dailymail.co.uk

Terceiro, nós incorporamos a nova informação à nossa estratégia para o próximo esforço. Focamos nossa atenção em modificar nosso plano para testar a nova informação que descobrimos. Se nosso pé escorregou, então colocaremos nosso pé com mais precisão. Se o segurador nos travou, então o instruímos a nos dar corda da forma apropriada. Se a mente tem pensamentos sobre estar muito bombado, então nós os ignoramos e continuamos a escalar (em zonas de sim-queda). Estes três passos nos ajudam a estar mais atentos ao desejo do ego de proteger-se com desculpas, a coletar informação precisa sobre como melhorar nossa performance e testar essa informação.

Não há necessidade de prender-se em pensamentos de que a via seja injusta, o que alimenta a sensação do ego pelo direito. Se sentimos a necessidade de discutir “justiça” de uma graduação, o fazemos simplesmente para aprender como desenvolver nossa estratégia para a escalada.

Nós obtemos controle da situação ao destronar a sensação de direito do ego. Revelamos a jóia:  a oportunidade de aprender – removendo o véu de desculpas do ego. Fazemos isto mudando nossas expectativas. Em vez de esperar uma cadena, esperamos exercer esforço.

Dica prática: Queira exercer esforço

Existe um motivo pelo qual caímos. Qual é ele? Encontre-o usando este processo de três passos.

  • Perceba se você deu uma desculpa de porquê caiu e pare com isso
  • Descreva objetivamente o que ocorreu no momento em que você caiu
  • Mude sua estratégia para incluir a nova informação que você descobriu

Não espere o sucesso, espere exercer esforço.

1-WarriorsWaylogo_

O livro “The Rock Warrior Way – Mental Training for Climbing” está à venda traduzido para a língua portuguesa no Brasil em: http://www.companhiadaescalada.com.br/

Tradução do original em inglês: Gabriel Veloso

Arno Ilgner distinguiu-se como um escalador pioneiro nos anos 1970 e 80, quando as principais ascenções foram as primeiras fortes e perigosas. Essas façanhas pessoais são a base para Ilgner desenvolver o programa de treinamento físico e mental – Rock Warrior Way ®. Em 1995, após uma pesquisa aprofundada da literatura e prática de treinamento mental e as grandes tradições guerreiras, Ilgner formalizado seus métodos, fundou o Instituto Desiderata, e começou a ensinar seu programa de tempo integral. Desde então, ele tem ajudado centenas de estudantes aguçar a sua consciência, o foco de atenção, e entender seus desafios de atletismo (e de vida) dentro de uma filosofia coerente, baseada em aprendizado de tomada de risco inteligente. Ilgner considera a alegria e satisfação no esforço – a “viagem” – intimamente ligada à realização bem sucedida das metas.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.