Associação de guias publica declaração a respeito do acidente na Pedra da Gávea

A Associação de Guias, Instrutores e Profissionais de Escalada do Estado do Rio de Janeiro (Aquiperj) publicou em sua fanpage um posicionamento e esclarecimentos a respeito do acidente ocorrido na Pedra da Gávea no último final de semana que vitimou Ênio Seguins.

Na declaração, assinada pelo instrutor Raphael Raine, procura jogar uma luz e, ao mesmo tempo, fazer um alerta a respeito do fatos e sequência de erros que aconteceram para que Ênio Seguins, de 40 anos, ter se acidentado enquanto realizava a trilha da Pedra da Gávea. O acidente fatal aconteceu no último domingo e, de acordo com guias de trilhas do Rio de Janeiro, várias informações confusas foram divulgadas por parte das agências de notícias e jornais locais da cidade do Rio de Janeiro.

Mesmo após a divulgação do post na fanpage da Aguiperj, tanto a Federação de Montanhismo e Escalada do Rio de Janeiro (FEMERJ) quanto a Aquiperj ainda não fizeram, até o momento, nenhum comunicado oficial a respeito do acidente. Portanto, a declaração de Raphael Raine publicada por volta das 10:00 do dia de ontem, não foi replicada na página oficial da entidade nem foi propagado nos canais de comunicação comuns da FEMERJ.

Pedra-da-Gavea

O acidente

No comunicado feito pelo instrutor Raphael Raine foi declarado que Ênio Seguins, junto de um amigo ainda não identificado, teria entrado às 0:00 no Parque Nacional da Tijuca, o qual possui a trilha de acesso à Pedra da Gávea, com o objetivo de pernoitar no cume. O pernoite é proibido pelo plano de manejo do Parque Nacional da Tijuca, que disponibiliza avisos de que a entrada e presença de pessoas no local após as 17:00 não são permitidas. O acesso utilizado pela dupla foi via Pico dos Quatro.

Esta informação evidencia o equívoco cometido pela informação da redação da Revista Blog de Escalada, que informou ter utilizado a tradicional via Carrasqueira. O Pico dos Quatro é mais demorada que a via Carrasqueira e requer equipamentos.

Este acesso pelo Pico dos Quatro é considerado pelos guias certificados da entidade uma rota alternativa não sendo, portanto, o acesso oficial ao cume da Pedra da Gávea.

A dupla ficou toda a noite na Pedra da Gávea e quando voltavam optaram por uma passagem mais arriscada direção ao platô, quando Ênio Seguins caiu aproximadamente 100 metros, fraturando as duas pernas e tendo traumatismo craniano. Segundo informaram os bombeiros a Raphael Raine, Seguins morreu no local pouco depois.

A equipe de resgate era composta pelo Capitão Raphael Freire e os Sargentos Jalmir e Alexandre Pires, pertencentes ao 1º Grupamento de Socorro Florestal e Meio Ambiente (GSFMA). Para a descida da trilha foi necessário o recorço de mais três bombeiros.

A retirada do corpo levou um total de 14 horas e foi necessário o uso de helicóptero.

Para ler o relato oficial da entidade acesse: https://www.facebook.com

There is one comment

  1. marcio louback

    Equivocos:

    1. No post da Aguiperj no facebook eles dizem que não foi necessaria a utilização de aeronaves, aqui no post diz que foi.
    2. A via P4 não é mais longa que a via tradicional (carrasqueira), ao contrario, é mais curta, porém mais ingrime. Mesmo assim é uma via (na minha opinião e de quem conhece bem), muito mais segura, pois os unicos pontos de risco são os cabos de aço e o risco é vc escorregar e cair no chao, vc não despenca em pedras como na carrasqueira.
    3. É possivel subir e descer pela P4 sem entrar na garganta do céu. A garganta do céu é um ponto de descanso e fotografia, porém o acidente se deu pois até onde fui informado a pessoa tentou acessar um minimo plator abaixo da ultima pedra da garganta onde tem uma pequena passagem lateral. Algo que nunca vi ninguem fazer.
    4. A P4 precisa de equipamentos apenas se vc não quiser utilizar os cabos de aço que ficam presos, mesma logica da carrasqueira. Muita gente sobe a carrasqueira sem equipamento e muita gente passar corda.

    Ultimas considerações.
    EU prefiro mil vezes a subir e descer pela P4, acho muito mais segura e tranquila, porém a pedra da gavea tem se tornado moda devido a moda de selfies arriscadas em montanha. Hoje em dia existem mil grupos de “guias” levando pessoas e passando corda na carrasqueira de forma completamente absurda, dando nó errado e etc…e como não existe fiscalização, isso só tende aumentar. Infelizmente eu acho que esse é o primeiro de muitos acidentes que estão por vir, seja na garganta do céu ou até no topo da pedra da gavea, onde pessoas tem se arriscado cada vez mais pela foto mais extrema, o angulo mais inedito. Tudo com o objetivo de conseguir mais likes, nessa ansiedade absurda de ser aceita e ser popular para quem nem sabe direito que vc existe e assim vamos morrendo e o real sentido de amor pela natureza, respeito com meio ambiente e etc…tem se perdido.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.