Principais veículos dos EUA fazem pesquisa sobre assédio sexual na escalada e montanhismo

Duas das principais revistas de escalada e montanhismo dos EUA, Climbing Magazine e Alpinist, estão realizando uma pesquisa sobre o assédio sexual na comunidade de montanha. Os institutos The American Alpine Club e The Access Fund aderiam também a pesquisa. A pesquisa foi intitulada “sexual harassment and sexual assault in theclimbing world” e pode ser respondida on line até o dia 31 do mês de maio.

Desde as denúncias de artistas a Harvey Weinstein, um dos principais empresários do entretenimento do mundo, muito se debate o tema em todo o mundo. Recentemente, tanto na Argentina e no Brasil, denúncias de assédio sexual estão sendo realizadas no ambiente esportivo também. Portanto, uma pergunta importante deve ser feita: existe assédio sexual no montanhismo e escalada?

Que fique claro que, de uma maneira muito genérica, assédio sexual, é toda forma de avanço sexual não consensual. Normalmente é um tipo de coerção de caráter sexual praticada geralmente por uma pessoa em posição hierárquica superior em relação a um subordinado (normalmente em local de trabalho ou ambiente acadêmico). Por isso, para quem tiver alguma dúvida, o assédio sexual caracteriza-se por alguma ameaça, insinuação de ameaça ou hostilidade contra alguma pessoa (homem ou mulher) visando a algum objetivo.

Importante lembrar que uma paquera está muito longe de ser um assédio sexual. A reação da pessoa após o “toco” é que pode significar. Por isso, ao responder a pesquisa é recomendável deixar de qualquer purismo ou exagero (muito menos revanchismo). O motivo deste aviso é simples: qual quer exagero, de ambas as partes, enfraquecem o diálogo e empobrece a discussão de um assunto tão sério.

A pesquisa ainda passará por uma análise de duas cientistas de dados: Callie Rennison e Charlie Lieu,

Para participar da pesquisa: https://docs.google.com

Cissa Carvalho é natural de São Paulo e praticante de esportes outdoor desde os 8 anos de idade. É alpinista fanática, e nas horas vagas tenta escalar em rocha, surfar e arranjar dinheiro para continuar viajando. Já esteve em todos os continentes e já escalou na América do Sul, África, Ásia e Europa

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.